Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,40
    -0,10 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.635,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.101,80
    -68,10 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,57
    -22,57 (-4,92%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.357,75
    +24,00 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1399
    -0,0200 (-0,39%)
     

WhatsApp: por que os EUA não ligam para o app mais popular do Brasil?

·2 min de leitura
Logo do WhatsApp em tela de celular
Enquanto virou de cabeça para baixo a rotina de milhares pessoas no mundo, a pane no WhatsApp desta segunda-feira, 4, mal impactou os norte-americanos

(REUTERS/Thomas White)

  • Somente 20% dos usuários de smartphones nos EUA utilizam o WhatsApp

  • O número contrasta com o do Brasil, onde 90% conta com o aplicativo

  • Dentre os motivos, estão a cultura do SMS, integração com iPhone e preferência por outros apps

Com mais de 2 bilhões de usuários em mais de 180 países, o WhatsApp se consagrou como o aplicativo de mensagens mais famoso do mundo. No Brasil, a Panorama Mobile Time/Opinion Box estima que 90% dos usuários de smartphones usem a ferramenta, mas um fato curioso chama a atenção: nos Estados Unidos, onde foi criada, ela é bastante impopular.

Sucesso do SMS

Conforme aponta a Pew Research Center, apenas 20% dos celulares têm o WhatsApp instalado por lá e um dos motivos é a cultura do SMS. Desde que a rede 2G facilitou o envio das mensagens – que costumavam custar caro na década de 1990 -, as operadoras norte-americanas passaram a ofertar planos com ligações ilimitadas e SMS grátis, o que transformou a rotina da população.

Leia também:

"A boa e velha telefonia 2G realmente surpreendeu os americanos, que a tomaram para si", disse Scott Campbell, professor de telecomunicações da Universidade de Michigan, para o blog de tecnologia Lifewire.

Conforme aponta a matéria da Época Negócios, o hábito criado pela população permaneceu mesmo quando a internet móvel se tornou mais acessível, além do fato de que os iPhones, usados por 50% dos consumidores, adaptaram seu sistema iOS para conectar o aplicativo iMessage às plataformas de SMS.

Atrás de outros aplicativos

O WhatsApp também perde espaço para outras ferramentas de mensagens, como o Facebook Messenger, usado por 87% dos americanos em 2021.

Seguido dele, vem o FaceTime (34%), Zoom (34%) e Snapchat (28%). Entretanto, a população latina dos Estados Unidos ainda não caiu na graça desses aplicativos, e segue utilizando o WhatsApp de forma massiva para se comunicar, inclusive, com pessoas de outros países.

Ainda assim, há expectativas de que algumas funcionalidades do mensageiro conquistem os norte-americanos e transformem a cultura do SMS. Um bom exemplo é a possibilidade de criar grupos, bem como proteger as mensagens – muito mais vulneráveis a invasões do que as conversas criptografadas do aplicativo comprado pelo Facebook.