Mercado abrirá em 2 horas 1 minuto

Nova fábrica da Weg em SC vai atender montadoras de veículos elétricos

Logotipo da Weg

SÃO PAULO (Reuters) -A fabricante de motores elétricos e tintas industriais Weg vai elevar sua capacidade de produção em Santa Catarina em até 25% nos próximos anos com a construção de uma nova fábrica no complexo industrial em Jaraguá do Sul (SC). A unidade terá como um dos focos o atendimento de montadoras de veículos elétricos no Brasil.

A nova instalação produzirá para caminhões, ônibus e vans de entregas. A empresa tem feito parcerias na área, fornecendo componentes para o caminhão elétrico e-Delivery montado pela Volkswagen Caminhões e Ônibus em Resende (RJ).

"A Weg está trabalhando no desenvolvimento de outros clientes e outras soluções para caminhões, ônibus e veículos comerciais leves", afirmou a empresa à Reuters.

Atualmente a Weg tem capacidade instalada de motores de tração para veículos elétricos de 1.200 unidades por ano.

A companhia afirmou que sua capacidade de produção será ampliada com adição de 500 mil motores por ano até 2025, quando a empresa concluirá a expansão de suas unidades fabris.

A companhia não fez estimativas sobre o mercado brasileiro de veículos elétricos.

Segundo a associação de montadoras Anfavea, apesar do segmento ainda ser pequeno em relação aos modelos movidos a combustíveis fósseis, tem havido crescimento nos últimos meses. A fatia de caminhões e ônibus elétricos no acumulado de vendas de novos no país de janeiro ao fim de agosto deste ano foi de 0,5% - 504 unidades - ante 0,2% - 313 unidades - em todo 2021.

INVESTIMENTO

A Weg prevê investir na nova fábrica 660 milhões de reais nos próximos três anos. A expectativa é concluir a nova unidade no primeiro trimestre de 2024.

"Além da ampliação dos prédios de fabricação de componentes e de logística de exportação, também será construída uma nova fábrica dedicada a motores industriais e principalmente motores para atender o segmento de mobilidade elétrica", afirmou a Weg.

A empresa afirmou que a construção será modular, para permitir aumento gradual da capacidade de produção conforme o crescimento do mercado nos próximos anos.

Analistas do Itaú BBA consideraram o anúncio da Weg como "positivo", entendendo que reforça a avaliação de crescimento da empresa no médio e longo prazos.

"Nosso modelo precifica 20% de crescimento em equipamentos industriais eletroeletrônicos em 2022, 13% em 2023 e 12% depois disso. Instalações domésticas vão atender clientes locais e também gerar receitas com exportações", afirmaram os analistas Daniel Gasparete, Gabriel Rezende e Luiz Capistrano.

As ações da Weg caíram 1,5% nesta terça-feira, enquanto o Ibovespa recuou 0,68%.

(Por Alberto Alerigi Jr.; edição Aluísio Alves)