Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.292,62
    -19,51 (-0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Com 1 tonelada de roupa lavada, Washout quer ser o “Uber das lavanderias”

Matheus Mans
·3 minutos de leitura
Photo taken in Istanbul, Turkey
Photo taken in Istanbul, Turkey

Após se formar na Universidade de Dallas, o empreendedor Vittor Strausz percebeu que não estava encontrando tempo para lavar roupas. Além disso, notou que era caro terceirizar o serviço. Assim, numa reunião com os sócios Rafael Guaspari e Rafael Pereira, acabou desenvolvendo a ideia da Washout, startup que promete ser o “Uber das lavanderias”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A ideia é simples: a empresa usa a máquina de lavar de outras pessoas para atender a demanda e estar presente em diversos bairros. Assim como o Uber não tem frota de carros e o Airbnb não possui hotéis, a Washout também não tem máquinas de lavar.

Leia também

“Nosso modelo de negócio permite que as pessoas consigam trabalhar de casa, basta ter uma máquina de lavar e passar por nosso processo de aprovação”, comenta Vittor Strausz, um dos fundadores da startup de lavanderias.

O único processo que eles se envolvem é no transporte das roupas. O saco de roupa suja dos clientes é retirado em casa, no dia e horário marcado, pela equipe da Washout. Depois, a roupa é enviada para a casa de um dos parceiro da plataforma, que fica encarregado de lavar, secar e dobrar cada uma das peças.

Vittor Strausz, Rafael Guaspari e Rafael Pereira fundaram a Washout e sonham com 1% do mercado de lavanderias de SP (Foto: Divulgação)
Vittor Strausz, Rafael Guaspari e Rafael Pereira fundaram a Washout e sonham com 1% do mercado de lavanderias de SP (Foto: Divulgação)

Além disso, a empresa colocou uma camada de segurança. Antes de lavar cada uma das roupas, o “washer” — como são chamados os parceiros da startup — ficam encarregados de tirar fotos das peças de roupa para evitar problemas futuros. A empresa ressalta, também, que apenas peças sociais são passadas. O restante vai como sai da secadora.

Há pouco mais de um ano no mercado, a empresa já intermediou a lavagem de mais de uma tonelada de roupas e conta com 16 pontos de lavagem em São Paulo. Outros 48 estão na fila de espera. “Após a primeira rodada de investimento, confirmamos nosso valuation inicial de R$ 10 milhões”, conta Vittor.

Próximos passos da Washout

A startup também busca atacar o preço das lavanderias tradicionais. Assim, ao invés de cobrar por peças, como fazem as lavanderias tradicionais, a startup cobra o valor fixo de R$ 25 por quilo, buscando aumentar o número de peças lavadas por vez. Desse valor, a empresa repassa de 35% a 40% para os parceiros — mais do que o Uber, que cobra 25%.

“A gente ainda enxerga um mercado muito premium”, diz Vittor. “Os preços fazem com que só o público A ou B+ possam ter acesso a esse tipo de serviço. Nossa ideia é democratizar o serviço de lavanderia, assim como Rappi e Ifood democratizaram o serviço de delivery, que anos atrás também era um serviço só de classes sociais mais altas.”

Agora, o objetivo da empresa é abocanhar 1% do mercado de lavanderias São Paulo. “Acreditamos que, a curto prazo, a lavagem de roupa vai vir a ser um benefício assim como a academia é hoje”, completa o fundador da startup.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube