Mercado fechará em 1 h 59 min

Walmart vai exigir que clientes usem máscara nos EUA

Por John BIERS
·1 minuto de leitura
A maior varejista do mundo se une, assim, a um número crescente de empresas que aplicam uma medida semelhante, ante o novo aumento dos casos de coronavírus nos Estados Unidos
A maior varejista do mundo se une, assim, a um número crescente de empresas que aplicam uma medida semelhante, ante o novo aumento dos casos de coronavírus nos Estados Unidos

A rede de lojas Walmart irá exigir que seus clientes usem máscara nas unidades localizadas em território americano a partir da semana que vem, anunciou a gigante do varejo nesta quarta-feira.

A maior varejista do mundo se une, assim, a um número crescente de empresas que aplicam uma medida semelhante, ante o novo aumento dos casos de coronavírus nos Estados Unidos.

Segundo a rede Walmart, a máscara tem "uma importância crucial" e seu uso será requerido a partir do dia 20, o que dará tempo à empresa de instalar avisos e treinar "embaixadores da saúde" para facilitar o cumprimento de sua nova política.

A empresa conta nos Estados Unidos com mais de 5,3 mil lojas Walmart e Sam's Club (rede atacadista) e está presente em muitos estados do sul e oeste que registraram um aumento do número de infectados e internações nas últimas semanas.

"Uma vez que o vírus pode ser transmitido por pessoas assintomáticas, é de fundamental importância que todos usem uma proteção facial em público e mantenham o distanciamento social", assinalam em documento o chefe de operações da rede Walmart nos Estados Unidos, Dacona Smith, e Lance de la Rosa, chefe de operações do Sam's Club.

A Federação Nacional Varejista (NRF) dos Estados Unidos defendeu a decisão e disse esperar que o anúncio signifique "um ponto de inflexão" no debate sobre o uso da máscara. "Os trabalhadores que atendem os clientes não deveriam ter que tomar uma decisão vital entre arriscarem se expor à infecção ou perderem o emprego porque uma minoria se nega a usar a máscara", assinalou a federação, que enviou uma carta ao governo Donald Trump pedindo um padrão nacional sobre o tema.