Mercado abrirá em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,90
    +1,70 (+2,17%)
     
  • OURO

    1.775,50
    +11,80 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    16.878,71
    +364,86 (+2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,43
    +11,71 (+3,01%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.547,59
    +35,59 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.560,00
    +35,25 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4612
    +0,0046 (+0,08%)
     

Walmart deve entrar para o metaverso com moeda virtual e NFT

Tempos atrás, o Walmart chegou a pensar em entrar no universo das criptomoedas e tecnologia blockchain, mas não deu grandes passos
Tempos atrás, o Walmart chegou a pensar em entrar no universo das criptomoedas e tecnologia blockchain, mas não deu grandes passos

(Artur Widak/NurPhoto via Getty Images)

  • Walmart deve entrar para o metaverso

  • Empresa manifestou interesse em vender bens virtuais

  • Moeda virtual e NFTs também devem ser disponibilizadas aos consumidores

O metaverso tem feito brilhar os olhos de grandes companhias e com o Walmart não foi diferente. Ao que tudo indica, a empresa será a próxima a se aventurar nesse mundo, além de criar uma moeda virtual para os consumidores e disponibilizar NFTs (tokens não-fungíveis).

Leia também:

A iniciativa foi descoberta depois que a gigante varejista registrou, em dezembro de 2021, várias novas marcas no Escritório de Patentes e Marcas Registradas dos Estados Unidos. A intenção é fabricar e vender bens virtuais, como eletrônicos, decoração, brinquedos, artigos esportivos, entre outros.

Conforme divulgado pela Be InCrypto, a entrada do Walmart no metaverso representaria um aumento no envolvimento dos consumidores e a possibilidade de criar experiências em torno de suas ofertas.

Projetos anteriores

Tempos atrás, a varejista chegou a pensar em entrar no universo das criptomoedas e tecnologia blockchain, mas não deu grandes passos.

Foi o que aconteceu em outubro, quando a empresa iniciou um programa piloto que permitia que os clientes comprasses Bitcoin nos quiosques Coinstar em lojas dos Estados Unidos.

Outro anúncio relacionado ao tema foi feito por Brett Biggs, diretor financeiro, que afirmou que a empresa estava aberta a incluir pagamento em criptomoeda, mas que ainda não via necessidade de implementar o recurso.

Com informações da Época Negócios