Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.556,98
    +529,58 (+2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Dow Jones e S&P 500 têm pior semana em meses após Fed assustar investidores

·2 min de leitura
Sinalização de Wall Street em prédio. 03/01/2019. REUTERS/Shannon Stapleton.

Por David French

(Reuters) - Os mercados acionários encerraram acentuadamente em queda nesta sexta-feira, com os índices Dow Jones e S&P 500 registrando seus piores desempenhos semanais em meses, tropeçando depois que os comentários do presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, de que a autoridade monetária poderia elevar os juros mais cedo que o previsto, assustar investidores.

O Dow Jones e o S&P começaram a semana em níveis recordes de fechamento, mas ao fim acumularam a maior queda semanal desde o fim de outubro e fim de fevereiro, respectivamente.

O índice Nasdaq, fortemente concentrado em papéis tecnológicos, também encerrou com queda semanal, apesar de registrar suas duas máximas recordes de fechamento nos últimos cinco dias.

A confiança dos investidores em suas posições existentes foi inicialmente abalada pela reunião de política monetária do Fed, onde projetou-se que os aumentos das taxas de juros ocorreriam mais cedo do que o esperado e foi sinalizado que banco central está chegando ao ponto onde poderia começar a falar em reduzir seu estímulo maciço de compras de títulos --ao invés de apenas pensar nisso.

Isso foi agravado por Bullard, que afirmou nesta sexta-feira estar entre as sete autoridades que enxergam aumento dos juros a partir do próximo ano para conter a inflação.

A inflação e a forma como o banco central dos EUA vai enfrentá-la quando o país sair da pandemia estiveram no centro das atenções dos investidores antes da reunião de política monetária do Fed, que terminou na quarta-feira.

"Não estou surpreso de ver o mercado vender um pouco. Nunca estou surpreso, dada o forte rali que tivemos por um longo período de tempo, quando vemos alguns períodos de realização de lucros", disse Tim Ghriskey, estrategista-chefe de investimentos do Conselho de Inverness em Nova York.

O índice de volatilidade CBOE, conhecido como "índice do medo" em Wall Street, fechou nesta sexta-feira no maior patamar em quatro semanas.

"Na próxima semana você terá várias autoridades do Fed fazendo discursos e teremos a mesma coisa: alguns serão mais 'hawkish' (duros com a inflação), e outros serão mais 'dovish' (brandos), então você verá algumas idas e vindas", adicionou Ghriskey.

O Dow Jones caiu 1,58%, para 33.290,08 pontos, o S&P 500 perdeu 1,31%, para 4.166,45 pontos, e o Nasdaq recuou 0,92%, para 14.030,38 pontos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos