Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.105,25
    -140,92 (-0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Wall Street passa aperto na China com aviso sobre salários altos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Um após o outro, os grandes nomes das finanças globais foram convocados pelas autoridades chinesas.

Na agenda: dizer ao Credit Suisse, Goldman Sachs e UBS que relatem detalhes sobre como remuneram seus principais banqueiros.

Não recompense seus principais executivos de forma muito generosa, alertaram os reguladores chineses aos bancos este ano em reuniões em Xangai e Pequim, ou podem entrar em conflito com o Partido Comunista, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

As reuniões sobre salários, relatadas aqui pela primeira vez, são apenas um dos muitos percalços que os bancos globais enfrentaram recentemente na China. Após anos de perdas ou retornos reduzidos, alguns deles reavaliam suas perspectivas. A curto prazo, as perspectivas não são boas.

As esperanças de que os negócios dos bancos na China possam finalmente valer a pena foram prejudicadas e abaladas novamente. Os bloqueios de Covid-19, mercados voláteis e as medidas de Xi Jinping para remodelar o mundo dos negócios – e reafirmar o controle do estado – repercutiram em bancos em Nova York, Londres e Zurique.

Publicamente, os executivos dizem que estão mais comprometidos do que nunca com a China. Filippo Gori, chefe para a região Ásia-Pacífico do JPMorgan, disse recentemente em entrevista à Bloomberg Television que o banco está focado nos próximos 25 anos na China, não no próximo trimestre.

Mas em conversas privadas, um número crescente de executivos na região expressa dúvidas sobre o futuro imediato de seus bancos na China.

Entrevistas com oito executivos seniores de bancos como Goldman, Morgan Stanley e UBS – todas sob condição de anonimato para evitar atritos com superiores, clientes ou autoridades chinesas – apontam para uma série de problemas. Salários são apenas um deles. Outros incluem licenças, recrutamento, segurança de dados e muito mais.

Acima de tudo está a campanha de Xi para combater o que o Partido Comunista considera elementos econômicos e sociais indesejáveis. Xi quer conter os empresários muito ricos, diminuir a desigualdade de renda persistente do país e promover a “prosperidade comum”.

Em um sinal dos novos tempos, vários grandes bancos, entre eles Credit Suisse, JPMorgan e UBS, recentemente mudaram executivos seniores na China. Após contratar cerca de 200 pessoas no ano passado, o Credit Suisse adiou planos de formar um banco local e pode demitir dezenas de funcionários, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Outros bancos podem tomar medidas semelhantes.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos