Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.562,24
    +263,39 (+1,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,00
    +1,37 (+0,52%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Wall Street ainda prefere Londres mesmo com Brexit

Silla Brush e Nicholas Comfort
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Grandes bancos de Wall Street podem ter começado a transferir alguns ativos do Reino Unido, mas suas operações na União Europeia ainda têm um longo caminho a percorrer antes de se equipararem às da City of London.

O JPMorgan Chase vai transferir 200 bilhões de euros (US$ 230 bilhões) de ativos totais para sua subsidiária em Frankfurt até o fim do ano como resultado da saída do Reino Unido da UE. Outros bancos também têm reforçado as operações no bloco.

O domínio atual da Square Mile é tamanho que muitos outros bancos teriam que transferir tantos ativos quanto o JPMorgan para começar a miná-lo.

As cinco firmas de Wall Street tinham o triplo de capital e mais de quatro vezes a quantidade de ativos ponderados pelo risco em suas subsidiárias do Reino Unido em comparação com as da UE no fim do ano passado, segundo análise da Bloomberg News de documentos regulatórios e relatórios anuais.

JPMorgan, Citigroup, Morgan Stanley, Goldman Sachs e Bank of America tinham US$ 900 bilhões em ativos ponderados pelo risco no Reino Unido contra cerca de US$ 200 bilhões na UE. Os bancos sustentaram suas unidades no Reino Unido com US$ 136 bilhões de capital mínimo, enquanto a cifra para a UE foi de US$ 45 bilhões.

Londres “continua a ser um centro financeiro muito importante”, disse a corresponsável de banco de investimento para EMEA do JPMorgan, Dorothee Blessing, durante webinar da Bloomberg na quinta-feira. Ela também disse que o banco continuará transferindo funcionários e ativos de Londres com a expansão dos negócios na Europa continental.

Bancos medem tanto ativos totais quanto balanço patrimonial ponderado de acordo com seus riscos. A Bloomberg usou o último critério neste artigo para garantir a comparabilidade entre as unidades do Reino Unido e da UE. Os cinco bancos não quiseram comentar.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.