Mercado abrirá em 7 h 59 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,56
    +2,07 (+2,60%)
     
  • OURO

    1.671,00
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    19.117,21
    -210,68 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,55
    -8,88 (-2,00%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.066,11
    +128,90 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    10.977,75
    -57,75 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Wall St vai a pico em mais de 2 semanas com impulso de ações de energia e tecnologia

Placa em Nova York sinaliza Wall Street

Por Devik Jain e Ankika Biswas

(Reuters) - Os setores de energia e tecnologia ajudaram a levar as ações dos Estados Unidos ao seu nível mais alto em mais de duas semanas nesta segunda-feira, antes de uma leitura crucial de inflação nesta semana que pode determinar o ritmo do próximo aumento de juros pelo Federal Reserve.

Todos os índices setoriais do S&P 500 subiam nas negociações desta manhã, liderados por um salto de 2% nas ações de energia. Os preços do petróleo subiam, à medida que as preocupações com a oferta aumentavam em meio à incerteza sobre as negociações nucleares iranianas.

As gigantes Amazon.com, Tesla Inc e Apple Inc avançavam entre 1,2% e 2,1%, proporcionando os maiores impulsos ao S&P 500 e ao Nasdaq.

Os três principais índices de ações dos EUA subiram acentuadamente na semana passada, com investidores aproveitando uma forte queda nos preços dos papéis desde meados de agosto, desencadeada por preocupações com a inflação elevada e o impacto de uma política monetária mais apertada para contê-la.

Todos os olhos estão voltados para dados de preços ao consumidor dos EUA que serão divulgados na terça-feira, com investidores em busca de quaisquer sinais de que as pressões inflacionárias possam estar diminuindo. A inflação deve ter subido 8,1% nos 12 meses até agosto, em comparação com taxa de 8,5% no período até julho.

Uma leitura baixa pode resgatar especulações de que o Fed aumentará os juros em apenas 50 pontos-base neste mês, embora o dado provavelmente tenha de ser muito fraco para ter real impacto na postura agressiva adotada pela maioria das autoridades do banco central norte-americano recentemente.

Os mercados monetários precificam chance de 89% de um terceiro aumento consecutivo de 75 pontos-base nos custos dos empréstimos pelo banco central dos EUA em 21 de setembro.

Às 11:50 (de Brasília), o índice S&P 500 ganhava 1,14%, a 4.113,84 pontos, enquanto o Dow Jones subia 1,02%, a 32.479,81 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq Composite avançava 1,20%, a 12.257,46 pontos.