Mercado fechará em 4 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    121.919,25
    +10,22 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.255,80
    -611,35 (-1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,88
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.832,90
    -4,70 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    56.121,19
    -2.006,75 (-3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.500,61
    +1.257,93 (+518,35%)
     
  • S&P500

    4.152,08
    -36,35 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.317,01
    -425,81 (-1,23%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.286,75
    -70,00 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3412
    +0,0010 (+0,02%)
     

Wall St tem rali com fortes dados econômicos; tecnologia entra no foco

Herbert Lash
·2 minuto de leitura
Wall St tem rali com fortes dados econômicos; tecnologia entra no foco

Por Herbert Lash

(Reuters) - Os mercados acionários dos Estados Unidos subiram nesta sexta-feira, levando o S&P 500 para perto de uma máxima recorde de fechamento, depois que dados fabris e de vendas de novas moradias reforçaram leitura de uma economia em expansão, enquanto as ações de grande capitalização avançaram, com o mercado à espera de fortes balanços trimestrais a serem divulgados na próxima semana.

A recuperação dos índices ocorreu após uma liquidação na quinta-feira, quando relatos de que o presidente dos EUA, Joe Biden, planeja quase duplicar o imposto sobre ganhos de capital assustaram investidores. De forma geral, analistas minimizaram os declínios da sessão anterior e os classificaram como uma reação automática, preferindo se concentrar em fortes perspectivas.

Com a alta dos três principais índices de Wall Street, o índice de volatilidade da CBOE --conhecido como índice "do medo"-- despencou cerca de 10%, sinal de diminuição da ansiedade de investidores quanto aos riscos à frente.

As companhias estão fornecendo guidances após permanecerem silenciosas durante a pandemia, enquanto yields mais baixos de títulos e resultados que superam estimativas estão impulsionando o rali, afirmou Tim Ghriskey, estrategista-chefe de investimentos do Inverness Counsel em Nova York.

"Há muita expectativa sobre o que está por vir", disse ele. "Vimos relatórios atuais superando essas expectativas muito altas. Os yields voltaram a cair, o que é muito positivo para as (ações) tecnológicas."

Os balanços trimestrais ocupam o centro das atenções na próxima semana, quando 40% da capitalização de mercado do S&P 500 reporta, de terça a quinta-feira, seus resultados, incluindo papéis de tecnologia e pesos pesados, como Microsoft Corp ,MSFT.O>, Alphabet Inc, Apple Inc e Facebook Inc.

A atividade fabril dos EUA teve alta no início de abril. O PMI preliminar da indústria subiu a 60,6 na primeira metade deste mês, leitura mais alta desde que a série começou, em maio de 2007.

Em outro sinal de forte demanda do consumidor, as vendas de novas residências unifamiliares nos EUA se recuperaram mais do que o esperado em março, provavelmente impulsionadas por uma aguda escassez de casas usadas no mercado.

Todos os 11 principais setores do S&P 500 registraram alta, com os segmentos de tecnologia e financeiro liderando os ganhos.

As ações dispararam pouco antes do fechamento, com o S&P 500 tendo caído levemente, perdendo a oportunidade de registrar nova máxima recorde de fechamento.

O Dow Jones subiu 0,67%, aos 34.043,49 pontos, e o S&P 500 ganhou 1,09%, aos 4.180,17 pontos, logo abaixo da sua máxima de fechamento, de 4.185,47 pontos, em 16 de abril. O Nasdaq teve alta de 1,44%, a 14.016,81 pontos.

Na semana, o S&P 500 recuou 0,13%, o Dow Jones teve queda em torno de 0,46% e o Nasdaq, 0,25%.