Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    94,00
    -0,34 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.803,60
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    23.957,11
    +11,09 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    568,13
    -6,62 (-1,15%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.465,91
    -41,20 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.333,25
    +22,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3236
    -0,0001 (-0,00%)
     

Wall Street fecha em queda sob pressão de ações de crescimento

Operador trabalha no salão da Bolsa de Valores de Nova York

Por Stephen Culp

NOVA YORK (Reuters) - As ações dos Estados Unidos encerraram em baixa nesta segunda-feira, com poucos catalisadores para alimentar o humor dos investidores à medida que se aproximam da metade de um ano em que os mercados de ações foram atingidos por preocupações com a inflação e aperto na política monetária do banco central norte-americano.

O índice S&P 500 fechou em queda de 0,30%, a 3.900,11 pontos. O Dow Jones caiu 0,20%, a 31.438,26 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq Composite recuou 0,72%, a 11.524,55 pontos.

Os principais índices acionários dos EUA perderam terreno após oscilar mais cedo na sessão, com fraqueza em papéis de megacapitalização sensíveis à taxa de juros, como Amazon.com, Microsoft Corp e Alphabet Inc fornecendo o maior peso.

"A razão para a falta de direção nesta semana e na próxima é que investidores estão de olho em o que vai acontecer no período de balanços do segundo trimestre", disse Sam Stovall, estrategista-chefe de investimentos da CFRA Research em Nova York.

Todos os três índices estão a caminho de registrar dois declínios trimestrais consecutivos pela primeira vez desde 2015. Também parecem a caminho de registrar queda em junho, o que marcaria três meses consecutivos de perdas para o índice de tecnologia Nasdaq, sua maior sequência de perdas também desde 2015.

O aumento dos preços do petróleo ajudou a colocar as ações de energia na frente, com papéis de baixa capitalização economicamente sensíveis e semicondutores e transportes também superando o mercado mais amplo.

Entre os 11 principais setores do S&P 500, oito fecharam o pregão em território negativo, e consumo discricionário sofreu a maior perda percentual. As ações de energia foram as que mais obtiveram ganhos, com alta diária de 2,8%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos