Mercado fechará em 5 h 45 min
  • BOVESPA

    111.873,88
    -4,65 (-0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,00
    -0,28 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +14,90 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    19.356,50
    +407,25 (+2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,30
    +15,39 (+4,22%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.472,51
    +9,12 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.489,25
    +35,00 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3046
    -0,0152 (-0,24%)
     

Wall St cai 3%, Dow Jones recua às mínimas do fim de julho com pandemia

Por Herbert Lash
·2 minuto de leitura

Por Herbert Lash

NOVA YORK (Reuters) - As ações dos Estados Unidos despencaram nesta quarta-feira, com o índice Dow Jones encerrando nas mínimas observadas pela última vez ao fim de julho, enquanto os casos de coronavírus disparavam globalmente e os investidores também se preocupavam com a possibilidade de uma eleição presidencial norte-americana ser contestada na próxima semana.

A crescente pandemia e o fracasso de Washington em alcançar um acordo em torno de um novo estímulo fiscal antes das eleições de 3 de novembro levaram todos os três índices de ações a fecharem em queda de quase 3%.

Doze Estados norte-americanos registraram recordes de pacientes com a Covid-19 hospitalizados nesta terça-feira, enquanto a Alemanha e a França anunciaram planos de interrupção de grandes áreas da vida pública por um mês, enquanto a pandemia aumentava em toda a Europa.

"Obviamente, o vírus está fora de controle. Está aumentando, é ruim", disse Eric Kuby, diretor de investimentos da North Star Investment Management Corp em Chicago. "O conceito de que... vai desaparecer é apenas uma suposição errada."

Ações de hotéis, companhias aéreas e outras empresas sensíveis às incertezas relacionadas à Covid-19 afundaram no pregão. O índice S&P 1500 das companhias aéreas e ações relacionadas ao lazer caíram, e o índice de energia recuou com a queda dos preços do petróleo devido aos temores de uma queda mais profunda na demanda por combustível.

Faltando apenas seis dias para as eleições, o índice do medo de Wall Street atingiu sua máxima desde 15 de junho. Preocupações de que um vencedor presidencial possa não ser declarado na noite de 3 de novembro também estimularam um grande "sell-off".

Os investidores estão preocupados com vários resultados potenciais: que a eleição possa ser contestada; que uma "onda azul" dê a Biden uma vitória e seu controle democrata do Congresso; ou que Trump seja reeleito, disse Chris Zaccarelli, diretor de investimentos da Independent Advisor Alliance em Charlotte, Carolina do Norte.

"Enquanto as pessoas analisam os prováveis ​​cenários do que poderia ocorrer com a eleição, não há uma boa resposta no curto prazo", disse ele.

As perdas foram generalizadas, com os papéis tecnológicos pesando mais.

Grandes empresas de tecnologia, como a Apple, Alphabet, Amazon e Facebook, que devem divulgar os resultados trimestrais na quinta-feira, caíram cerca 3% ou mais, e foram as que mais pesaram no S&P 500.

O Dow Jones recuou 3,43%, para 26.519,95 pontos, o S&P 500 perdeu 3,53%, para 3.271,03 pontos, e o Nasdaq recuou 3,73%, aos 11.004,868 pontos.

(Reportagem adicional de Medha Singh e Shivani Kumaresan em Bengaluru; Sinead Carew, Lewis Krauskopf e Stephen Culp em Nova York)