Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,30
    +0,03 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.858,50
    +2,30 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    32.721,78
    +428,72 (+1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,98
    +59,99 (+9,83%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,95 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.655,60
    +24,15 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    13.431,25
    +69,75 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

Wall St bate novos recordes com esperança de estímulos em governo democrata

Herbert Lash
·2 minuto de leitura
A Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês)

Por Herbert Lash

NOVA YORK (Reuters) - Os mercados acionários em Wall Street fecharam em níveis recordes nesta quinta-feira, com investidores apostando que um Congresso controlado pelos democratas vai aprovar mais pacotes de estímulos para ajudar a economia dos Estados Unidos a superar uma forte queda causada pela pandemia.

O Dow Jones, o S&P 500 e o Nasdaq estabeleceram novas máximas em meio a crescentes demandas para a remoção do presidente Donald Trump do cargo, um dia depois que seus apoiadores invadiram o prédio do Capitólio, em um terrível ataque à democracia norte-americana.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, pediu a remoção imediata de Trump do cargo. O presidente eleito, Joe Biden, acusou Trump de fomentar a violência e disse que quarta-feira foi um dos dias mais sombrios para a história norte-americana.

"O mercado agora está olhando para além de Trump e está ansioso para uma presidência de Biden, mais estrutura e estímulo", disse Dennis Dick, operador da Bright Trading LLC.

"Um Congresso democrata obviamente se preocupará mais com as pequenas empresas e com a Main Street."

O setor financeiro, sensível às expectativas para a economia, teve alta de 1,5%, enquanto os segmentos industrial e de materiais básicos atingiram novas máximas, com expectativa de que Biden consiga alinhavar um pacote fiscal maior e maiores gastos com infraestrutura em um Congresso sob controle democrata.

As ações de bancos, sensíveis aos juros, tiveram alta de 2,6%, acompanhando outro salto nos yields dos Treasuries de dez anos acima de 1%. As ações de crescimento, de forma geral, devem se beneficiar menos com estímulos, disse David Bahnsen, diretor de investimentos do The Bahnsen Group, em Newport Beach, Califórnia.

"As ações de valor (subprecificadas) provavelmente se saem melhor do que as de crescimento", disse Bahnsen. "Na margem, se eles conseguirem outro 1 trilhão de dólares (em estímulos) e empurrarem os yields dos Treasuries para cima e elevar a inclinação da curva de juros, os bancos vão se beneficiar."

O índice de tecnologia do S&P 500 subiu 2,7%, mais do que compensando as perdas do dia anterior, quando as ações de algumas das maiores empresas do setor caíram devido ao temor de uma maior regulamentação.

O índice NYSE FANG+TM <.NYFANG> --que inclui ações das principais empresas do grupo FAANG, que lideraram o rali de Wall Street desde as mínimas da pandemia-- subiu 2,7%.

Os três principais índices de Wall Street fecharam em máximas recordes, e outros índices também atingiram novos picos, incluindo o índice Russell 2000 (de empresas de menor capitalização) e o índice MSCI para ações globais, um termômetro do desempenho global do mercado acionário.

O índice Dow Jones subiu 0,69%, a 31.041 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 1,484736%, a 3.804 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 2,56%, a 13.067 pontos.

(Por Herbert Lash)