Mercado fechará em 6 h 53 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,96
    -0,35 (-0,66%)
     
  • OURO

    1.870,30
    +3,80 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    32.161,96
    -1.340,14 (-4,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    639,07
    -61,54 (-8,78%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.753,07
    +12,68 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.351,75
    +57,50 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3612
    -0,0468 (-0,73%)
     

Wall St abre perto da estabilidade com redução de otimismo sobre acordo comercial EUA-China

Por Sagarika Jaisinghani
.

Por Sagarika Jaisinghani

(Reuters) - Os principais índices acionários de Wall Street quebravam uma série de três dias consecutivos de ganhos nesta segunda-feira, ao mesmo tempo em que os contratos do petróleo despencavam 2%, com dúvidas crescentes sobre a rapidez com que um acordo comercial parcial entre Estados Unidos e China anunciado na sexta-feira pode ser selado.

Às 11:44 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,11%, a 26.847 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 0,141738%, a 2.966 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 0,17%, a 8.043 pontos.

As principais empresas de energia, como a Exxon Mobil e a Chevron, lideravam as perdas no S&P 500, com os preços do petróleo devolvendo os ganhos da semana passada em meio à cautela em relação a um acordo comercial. [O/R]

Os índices S&P 500 e Dow Jones terminaram a sexta-feira com seu primeiro ganho semanal em um mês depois que os EUA sinalizaram que os dois lados deram um grande passo para aliviar as medidas retaliatórias que atingiram o crescimento global este ano.

Trump, no entanto, reconheceu que o acordo ainda pode entrar em colapso, e uma série de relatos da mídia e comentários do secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, deixou os investidores se sentindo menos otimistas sobre o que realmente foi alcançado.

Mnuchin disse em uma entrevista à CNBC que tem "todas as expectativas" de que, se um acordo comercial entre EUA e China não entrar em vigor até 15 de dezembro, tarifas adicionais serão impostas, embora ele tenha afirmado que espera que um acordo seja definido até lá.