Mercado abrirá em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    112.273,01
    -43,15 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.521,43
    -253,48 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,74
    -1,16 (-1,49%)
     
  • OURO

    1.918,40
    -20,80 (-1,07%)
     
  • BTC-USD

    22.901,74
    -374,74 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,23
    -18,64 (-3,47%)
     
  • S&P500

    4.017,77
    -52,79 (-1,30%)
     
  • DOW JONES

    33.717,09
    -260,99 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.727,57
    -57,30 (-0,74%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.909,75
    -58,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5292
    -0,0178 (-0,32%)
     

Wall St recua, mas Amazon limita perdas com otimismo sobre Cyber Monday

Operador trabalha na Bolsa de Nova York, EUA

Por Ankika Biswas e Shreyashi Sanyal

(Reuters) - Os principais índices de Wall Street caíam nesta segunda-feira em meio a preocupações com protestos nas principais cidades chinesas contra as políticas rígidas de combate à Covid-19, embora os ganhos da Amazon ajudassem a limitar o movimento, já que as vendas da Cyber Monday pareciam a caminho de marcar recorde.

As ações da gigante do comércio eletrônico subiam 2% após notícias do setor de que os gastos na Cyber Monday, o maior dia de compras online dos EUA, podem chegar a 11,6 bilhões de dólares, impulsionados por alguns dos maiores descontos e promoções para atrair consumidores cautelosos pela inflação.

O maior empecilho para o índice de referência S&P 500, no entanto, eram as ações da Apple Inc, que caíam 1,5% após notícia de que a empresa deve registrar um déficit adicional na produção devido a tensões na maior fábrica de iPhones do mundo, na China.

Raros protestos nas principais cidades chinesas no fim de semana contra as rígidas restrições Covid-zero do país abalaram as expectativas de crescimento da segunda maior economia do mundo.

“Se esses protestos continuarem, isso pode atrapalhar as cadeias de suprimentos e as reaberturas, um vislumbre do que vimos mais cedo neste ano”, disse Brian Klimke, diretor de pesquisa de investimentos do Cetera Financial Group. "Isso continuará pesando na mente dos investidores daqui para frente."

Às 12h48 (de Brasília) o Dow Jones caía 0,59%, a 34.143,81 pontos. O S&P 500 perdia 0,75%, a 3.996,08 pontos, enquanto o Nasdaq cedia 0,7%, a 11.147,27 pontos.

(Reportagem de Ankika Biswas em Bengaluru)