Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.450,09
    -201,99 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Nasdaq lidera ganhos em Wall St com alívio de temores sobre alta dos juros

Entrada da NYSE, em Nova York

Por Ankika Biswas e Amruta Khandekar

(Reuters) - O índice norte-americano Nasdaq liderava os ganhos em Wall Street nesta segunda-feira, impulsionado pelas ações da Amazon e da Tesla, enquanto sinais de arrefecimento do mercado de trabalho sustentavam as apostas num ritmo mais lento de alta dos juros pelo Federal Reserve.

A Amazon.com Inc subia 3,4%, depois que a Jefferies disse esperar diminuição das pressões de custo para a gigante do comércio eletrônico no segundo semestre do ano.

Já a Tesla Inc subia 7,5% depois que a fabricante de veículos elétricos indicou tempos de espera mais longos para algumas versões do Modelo Y na China, sinalizando que os recentes cortes de preços podem estar alimentando a demanda.

Outras ações de crescimento sensíveis os juros, como Apple Inc e Alphabet Inc, ganhavam cerca de 1% cada, com queda nos rendimentos dos Treasuries.

Os ganhos levaram as ações de tecnologia ao topo da lista dos principais índices setoriais do S&P 500. O índice de crescimento do S&P 500 subia 3,6%, superando o ganho de 0,7% em seu par que lista ações de valor.

Os índices S&P 500 e Nasdaq fecharam a semana passada em alta, depois que uma moderação nos aumentos salariais e um declínio na atividade de serviços nos Estados Unidos em dezembro alimentaram as esperanças de uma postura menos agressiva por parte do Federal Reserve.

"O número de empregos criados está diminuindo lentamente e os salários estão começando a se acalmar. Ambos são importantes para que a inflação fique sob controle, sem necessariamente levar a economia dos EUA a uma recessão", disse Art Hogan, estrategista-chefe de mercado da B. Riley Financial.