Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.879,00
    +254,72 (+0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Vulcão entra em erupção 2 vezes em 2 dias na Itália e satélite tira foto

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Um dos vulcões mais ativos do mundo, o Etna, localizado na Itália, acaba de entrar em erupção pela segunda vez em menos de 48 horas. A primeira erupção aconteceu na última terça-feira (16), com o vulcão liberando no ar grandes fontes de lava, que chegaram a atingir aproximadamente 700 metros de altura. Os fluxos de lava viajaram por cerca de 4 quilômetros.

Já a segunda explosão aconteceu na quinta-feira (18), com a lava percorrendo cerca 1,3 quilômetro de distância até a região sul. As cinzas das erupções cobriram toda a cidade de Catania, fechando o aeroporto local, e as autoridades vêm monitorando cidades próximas da base do vulcão, como Linguaglossa, Fornazzo e Milo, para evitar possíveis danos. De acordo com o Volcano Discovery, site que publica, regularmente, alertas e notícias sobre atividades sísmicas, também foi registrada atividade no início desta sexta-feira (19), com os fluxos percorrendo as regiões sul e leste.

<em>Imagem: Reprodução/Reuters/Antonio Parrinello</em>
Imagem: Reprodução/Reuters/Antonio Parrinello

O satélite Copernicus Sentinel-2, da Agência Espacial Europeia (ESA), conseguiu capturar imagens da erupção do vulcão no dia 18. Na imagem, foi possível destacar a cor brilhante da lava graças à tecnologia de banda infravermelha de ondas curtas.

Os dados coletados pelo satélite também podem ser usados para detectar sinais de alterações que podem acabar provocando a erupção. Quando a explosão acontece, o satélite pode identificar fenômenos associados a ela, como fluxo de lava, deslizamento de terra, fissura no solo e terremoto. Sensores atmosféricos identificam também gases e aerossóis que foram emitidos no ar e qual será o impacto na atmosfera.

<em>Imagem: Reprodução/ESA</em>
Imagem: Reprodução/ESA

O vulcão Etna, o mais ativo de toda a Europa, tem 3,3 mil metros de altitude e já é conhecido no continente por ter erupções com frequência, por cerca de 2,7 mil anos. Nenhuma das erupções que aconteceram em fevereiro deixou vítimas ou danos graves nas regiões afetadas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: