Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.783,14
    +2.596,18 (+4,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Voz feminina não será mais padrão da assistente Siri, da Apple

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
Bangkok, Thailand - July 30, 2019 : Siri, Apple's voice-activated digital assistant, tells iPhone user to ask her by showing the text
Assistente virtual Siri começou a ser usada no iPhone 4S, em 2011
  • Voz feminina não será mais o padrão da Siri, assistente virtual da Apple

  • Unesco e ONU pensam que padrão reforma o sexismo

  • Nova configuração estará presente no iOS 14.5

A Apple decidiu que a voz feminina de sua assistente virtual, a Siri, não será mais usada como padrão do sistema. A mudança estará disponível com o lançamento do iOS 14.5, que ainda está no período de testes, e deve ser feita na hora de configurar o aparelho ao ligá-lo pela primeira vez. As informações são do TechCrunch.

Leia também:

A Siri foi lançada em 2011, junto com o iPhone 4S, e para mudar a voz era necessário fazer o ajuste manual. Hoje, além da Siti, as assistentes virtuais Alexa, da Amazon, e Cortana, da Microsoft também têm vozes femininas.

Sexismo

Segundo um relatório da ONU de 2019, isso é sexista e reforça a ideia de que mulheres servem para servir e ser submissas. Para a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), esse padrão solidifica a tendência de gênero, além de normalizar o assédio sexista.

Ao The Verge, a Apple disse que a mudança é “a continuação de um longo compromisso da Apple com a diversidade e a inclusão e com produtos e serviços que são desenhados para melhor refletir a diversidade do mundo em que vivemos”.