Mercado abrirá em 9 h 5 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,03
    -0,62 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.790,70
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    60.494,61
    -2.251,90 (-3,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,17
    -35,98 (-2,39%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.585,92
    -452,35 (-1,74%)
     
  • NIKKEI

    28.946,61
    -159,40 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.529,25
    -15,75 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4564
    +0,0023 (+0,04%)
     

Votação de projeto que muda regras no funcionalismo de SP é adiada

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP: Fachada da Assembleia Legislativa de São Paulo. (Foto: Fabio Braga/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP: Fachada da Assembleia Legislativa de São Paulo. (Foto: Fabio Braga/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) adiou a votação do PLC (Projeto de Lei Complementar) 26, que altera diversas regras do funcionalismo público estadual. A expectativa é que o debate seja retomado na semana que vem em sessão com três horas e meia de duração.

A discussão do projeto iniciou na noite desta terça-feira (21), porém, após pouco mais de duas horas, os deputados decidiram por unanimidade suspender a segunda sessão extraordinária que estava prevista. Ao menos 200 emendas foram acrescentadas pelos deputados.

O texto foi enviado em regime de urgência pelo governador João Doria (PSDB) para apreciação dos parlamentares em agosto. O projeto altera pontos como bonificação por resultado, acaba com a possibilidade de faltas abonadas e cria regra para contratar servidores temporários em caso de greve, dentre outros.

O parlamentar Raul Marcelo (PSOL) afirmou que o PLC 26 será levado ao STF (Supremo Tribunal Federal) para discussão, uma vez que há pontos considerados inconstitucionais no texto.

A criação da bonificação por resultados é uma das principais alterações. O método já é usado em algumas secretarias. O modelo prevê o pagamento de bônus aos servidores de órgãos públicos e autarquias que avancem na carreira entre um ano e outro.

A deputada Maria Izabel Azevedo Noronha, a professora Bebel (PT), assinalou que o modelo pode viabilizar a perseguição e o favoritismo de alguns servidores em detrimento de outros.

Outra medida é a alteração da lei 1.093, de 16 de julho de 2009, que trata sobre a contratação de temporários no estado de São Paulo, incluindo professores. Se for aprovada, a nova regra permite contratar servidores por motivos de calamidade pública, greve que "perdure por prazo não razoável" ou que seja considerada ilegal pela Justiça.

Na avaliação de deputados da oposição, a medida é ilegal porque fere o direito de greve dos servidores, além de precarizar a relação de trabalho, uma vez que os trabalhadores temporários não têm estabilidade e não é concursado.

O PLC coloca o fim às faltas abonadas --atualmente, os servidores podem ter até seis faltas abonadas por ano, sem a necessidade de apresentar documento legal justificando a ausência.

O texto extingue o reajuste do adicional de insalubridade com base no IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) --estimativa de redução de 40% nos ganhos, chegando a 50% no caso dos funcionários da saúde-- e revoga a possibilidade de pagamento dessa "vantagem" nos afastamentos por meio de licença-prêmio.

O PLC também cria a CGE (Controladoria-Geral do Estado), congregando as funções de auditoria, ouvidoria, corregedoria e controladoria "tal como se dá no âmbito federal com a CGU [Controladoria-Geral da União]", diz o texto.

"Ao criar a CGE, [o governo] está humilhando a PGE [Procuradoria-Geral do Estado], criando cargos que fazem atividades inerentes à PGE. Há muito tempo não vejo um projeto tão hipócrita quanto este", afirmou o deputado Campos Machado (Avante).

Na tarde desta terça, servidores protestaram contra o PLC 26. Eles pediam que os deputados retirassem o texto da pauta desta terça. O ato começou por volta das 15h com a participação de sindicatos representantes dos funcionários públicos e deputados da oposição.

Maria Lúcia de Almeida, segunda vice-presidente do CPP (Centro do Professorado Paulista), classificou que os funcionários públicos estão sendo massacrados pelo governo estadual e que o PLC 26 tira "os poucos direitos que os servidores têm".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos