Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.962,44
    +693,99 (+1,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,19
    +0,12 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.798,00
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    37.704,55
    +3.292,59 (+9,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    894,62
    -20,87 (-2,28%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    +285,29 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    15.120,25
    +22,25 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1102
    -0,0114 (-0,19%)
     

Votação da privatização dos Correios na Câmara é adiada para agosto

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O relator do projeto que quebra o monopólio dos Correios e abre a empresa pública para o capital privado, deputado Gil Cutrim (Republicanos-MA), afirmou nesta quarta-feira (14) que a votação da proposta foi adiada para agosto, após o recesso do Congresso.

Ele apresentou uma versão preliminar do relatório aos líderes partidários nesta terça-feira (13), mas, como ainda não há consenso, o assunto será debatido pelas bancadas nas próximas semanas.

Técnicos do Ministério da Economia defendiam que o projeto fosse aprovado pela Câmara até o fim da semana. O tema chegou a entrar na pauta do plenário da Casa, mas a análise do texto foi adiada.

A equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, quer publicar o edital de privatização dos Correios até o fim do ano e realizar a operação até março de 2022.

Mas, para aprovar o projeto relatado por Cutrim, o governo possivelmente terá que ceder em alguns pontos, principalmente em relação aos empregados dos Correios —uma das preocupações de líderes partidários.

“Ontem [na terça] apresentei a minuta [do relatório] aos líderes, combinamos de levar ao plenário já de forma amadurecida os pontos de maior convergência e os demais debatermos em plenário”, afirmou Cutrim. Segundo ele, foi “muito boa a aceitação da proposta.”

O relator defende que os funcionários da estatal tenham uma estabilidade de 18 meses após privatização, além da criação de um PDV (plano de demissão voluntária).

De acordo com a versão preliminar, a demissão voluntária poderia ser pedida até 180 dias após a desestatização. Ao funcionário, seria paga uma indenização de um ano de remuneração, com manutenção do plano de saúde neste período, além de ingresso em um programa de requalificação.

Na minuta, o relator afirma que o desafio da estatal é adaptar-se aos tempos modernos e que, em várias partes do mundo, há uma tendência de privatizar a comunicação.

O plano elaborado pelo Ministério da Economia para a privatização dos Correios prevê a venda de 100% da estatal. O governo chegou a estudar diferentes formas de privatização, como segregar a empresa por regiões ou até por tipo de serviço. Mas decidiu retirar toda a participação da União na empresa.

O relator defende ainda “a desestatização da empresa unificada e sem segregação”.

A equipe econômica ainda não tem uma estimativa clara de quanto pode ser arrecadado na venda dos Correios, pois o valor da operação dependerá inclusive do formato final do projeto a ser votado pelo Congresso.

Na semana passada, o procurador-geral da República, Augusto Aras, se posicionou contra a privatização dos Correios.

Segundo ele, a Constituição não permite a prestação indireta dos serviços postais e do correio aéreo nacional.

No início de julho, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que, apesar de a proposta que quebra o monopólio dos Correios estar na pauta do plenário da Casa, a votação só deveria ocorrer “entre a segunda quinzena de julho e a primeira de agosto”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos