Mercado abrirá em 1 h 4 min
  • BOVESPA

    106.373,87
    -553,92 (-0,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.973,27
    +228,35 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,34
    +1,52 (+1,81%)
     
  • OURO

    1.809,40
    -7,10 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    42.000,35
    -780,78 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.005,55
    -20,18 (-1,97%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.553,18
    -58,05 (-0,76%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.321,75
    -274,00 (-1,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2938
    0,0000 (0,00%)
     

Voos da Itapemirim são cancelados e geram caos pelo Brasil. Entenda

·3 min de leitura
ITA - Itapemirim Transportes Aereos airplane airbus a320 take off from
ITA - Itapemirim Transportes Aereos airplane airbus a320 take off from
  • Espera-se que 8 mil passageiros com tíquetes comprados sejam prejudicados com a "suspensão temporária" de voos da companhia aérea ITA;

  • É previsto que 40 mil pessoas fiquem sem conseguir viajar;

  • A companhia aérea do grupo Itapemirim começou a funcionar há menos de seis meses.

Na manhã deste sábado (18), diversos passageiros que tentaram embarcar no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo, enfrentaram filas, atrasos para voos e muita confusão.

A causa do caos, que se repetiu em diversas regiões do Brasil, são dois problemas gerados na sexta-feira (17): a suspensão de voos da ITA, do grupo Itapemirim, e a queda da energia elétrica.

Como efeito da decisão da companhia aérea de suspender “temporariamente” as operações, mais de 8 mil passageiros com tíquetes comprados podem ser afetados. Para as operadoras de turismo, estima-se que 40 mil pessoas possam ficar sem viajar até o dia 2 de janeiro.

Leia também:

A companhia aérea tinha 512 voos programados entre sexta-feira (17) e o dia 31, contando com viagens partindo dos aeroportos de Guarulhos (SP), Galeão (RJ), Brasília (DF) Salvador (BA), Recife (PE) e cidades do interior de São Paulo.

O que torna a situação mais complexa é que empresas como Gol, Azul e Latam estão com voos para fim de ano lotados.

Os problemas vêm apenas após seis meses de operação da empresa aérea, que é mais nova do Brasil. Em nota, a Itapemirim afirma que planeja se reorganizar para retomar os voos.

Acumulo de problemas

Há algum tempo, a Itapemirim vem juntando diversos problemas e reclamações, como atrasos de salários e benefícios para funcionários, descumprimento de horários, cancelamento de voos, entre outros.

Por exemplo, até o final da tarde de sexta-feira (17), funcionários relatavam que os pagamentos ainda não haviam caído na conta. 

De acordo com resposta da Itapemirim, uma dificuldade pontual fez com que 50% do salário de cada funcionário fosse pago no começo do mês, enquanto a outra parcela fosse feita até o dia 17, o que não se concretizou.

Enquanto isso, desde o começo de dezembro, a empresa aérea suspendeu o plano de saúde dos funcionários, assim como atrasou vale-refeição e transporte, algo que já acontecia com frequência. Outra queixa é relacionada às verbas rescisórias, que não estariam sendo pagas aos demitidos.

Agências de viagem também engrossaram o coro das reclamações, ao afirmarem que estão sem receber valores atrasados das remarcações de bilhetes e acomodação dos passageiros com viagens canceladas.

Clientes da companhia aérea também relatam que tiveram voos cancelados repentinamente enquanto a empresa funcionava. 

Entre as contestações estão que não conseguiam entrar em contato com a companhia para formalizar reclamação.

Dados errados, pedidos de falência, falta de aviões e dança das cadeiras

A Anac autuou a Itapamirim três vezes em outubro e novembro por descumprir prazos de envio das informações obrigatórias. A empresa alegou problemas técnicos.

Enquanto isso, a companhia tem um longo processo de recuperação judicial dos credores, a quem o grupo devia cerca de R$ 253 milhões em setembro, bem como R$ 2,2 bilhões de dívidas tributárias. 

Como efeito, alguns dos credores chegaram a pedir falência do grupo na Justiça.

Outro problema grande é falta de aviões na frota da empresa. Atualmente a Itapemirim tem apenas sete aviões operando.

Desde outubro, a área comercial da empresa vem passando por diversas mudanças, como a troca de diretoria e integrantes da área.

Tiago Senna, que foi presidente da companhia até maio deste ano, deixou o cargo quando a empresa estava prestes a começar os serviços, sendo substituído por Adalberto Bogsan.

As informações são do Jornal O Globo e do Portal UOL.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos