Mercado abrirá em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,05
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.789,80
    +9,60 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    57.002,61
    -431,75 (-0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.296,33
    -95,38 (-6,85%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.025,03
    +5,50 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.028,75
    -0,75 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6839
    -0,0022 (-0,03%)
     

Voos afetados por greve de pilotos devem ser indenizados, decide Tribunal da UE

·1 minuto de leitura
O TJUE desestimou uma posição defendida pela companhia aérea escandinava SAS, que se negava a indenizar um passageiro cujo voo foi cancelado em 2019, durante uma greve dos pilotos de sete dias

Os passageiros de voos que forem cancelados ou atrasados devido a uma greve de pilotos para obter melhores salários devem ser indenizados pela companhia aérea em questão, disse o Tribunal de Justiça da UE (TJUE) nesta terça-feira (23).

Uma greve de tal natureza ainda é organizada "em cumprimento das condições estabelecidas pela legislação nacional", não se enquadra "no conceito de 'circunstância extraordinária'" que permite que a empresa evite o pagamento de indenizações.

Deste modo, o TJUE desestimou uma posição defendida pela companhia aérea escandinava SAS, que se negava a indenizar um passageiro cujo voo foi cancelado em 2019, durante uma greve dos pilotos de sete dias.

A SAS considerava essa greve uma "circunstância extraordinária", já que não era inerente ao exercício normal de sua atividade e portanto fugia do controle efetivo da situação por parte da empresa.

O TJUE explicou que este veredito se aplica unicamente quando os sindicatos que cobrem os trabalhadores da companhia aérea seguem os procedimentos legais para as greves e somente quando suas demandas podem ser atendidas pela própria companhia e não pelas autoridades do governo.

Também apontou que a decisão não se aplica às greves como as dos controladores de tráfego aéreo.

rmb-ahg/mis/aa