Mercado abrirá em 8 h 26 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,48
    +0,43 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.686,10
    +8,10 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    53.813,82
    +3.398,25 (+6,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.086,12
    +61,91 (+6,05%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    28.973,44
    +230,19 (+0,80%)
     
  • NASDAQ

    12.439,75
    +142,50 (+1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Voluntária em testes de vacina da Sinopharm morre de pneumonia causada por Covid-19 no Peru

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Vacina da Sinopharm

Uma voluntária em um teste no Peru para uma vacina contra o coronavírus, produzida pela farmacêutica chinesa Sinopharm Group Co Ltd, morreu de pneumonia relacionada à Covid-19, informou a universidade encarregada da condução dos estudos nesta terça-feira.

A Universidade Cayetano Heredia, que está envolvida nos testes, disse não saber se a voluntária havia recebido a vacina ou o placebo no estudo duplo cego. O Peru está passando por uma segunda onda de infecções pela Covid-19.

"Lamentamos anunciar que uma de nossas voluntárias morreu como resultado de uma pneumonia causada pela Covid-19. É uma perda dolorosa pela qual oferecemos nossas condolências à família", disse a universidade em nota.

Leia também

"Ela recebeu todo cuidado indicado para o tratamento dessa doença e de suas complicações, e estava lutando por sua vida há mais de uma semana", diz a nota.

A universidade acrescentou que comunicou o caso ao comitê de segurança do estudo e para as autoridades reguladoras para iniciar uma investigação sobre o caso, mas não mencionou se o estudo seria suspenso.

"Casos de infecção ou deterioração de quadros em participantes que receberam o placebo correspondem ao que pode acontecer com a população não-imunizada", afirmou a universidade, acrescentando que tais casos em participantes que receberam a vacina "podem acontecer, pois a eficácia não é de 100%".

da Reuters