Mercado fechará em 5 h 54 min
  • BOVESPA

    113.733,09
    +25,34 (+0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.436,52
    -297,52 (-0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,16
    +2,05 (+2,33%)
     
  • OURO

    1.778,50
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    23.445,45
    +28,67 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,26
    +0,53 (+0,10%)
     
  • S&P500

    4.266,66
    -7,38 (-0,17%)
     
  • DOW JONES

    33.872,98
    -107,34 (-0,32%)
     
  • FTSE

    7.523,05
    +7,30 (+0,10%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.466,50
    -26,75 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2553
    -0,0039 (-0,07%)
     

Volume de serviços do Brasil avança mais do que o esperado em maio

Consumidores em bar do Rio de Janeiro

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O setor de serviços brasileiro voltou a registrar ganhos em maio e acima do esperado, com avanços generalizados entre as atividades mesmo diante da inflação elevada no país.

O volume de serviços teve alta de 0,9% em maio sobre o mês anterior, registrando avanço de 9,2% na comparação com o mesmo período de 2021, de acordo com os dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ficaram bem acima das expectativas em pesquisa da Reuters de altas de 0,2% na base mensal e de 8,5% na anual.

A leitura mensal voltou a território positivo depois de recuo de 0,1% em abril, e deixa o setor 8,4% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020.

No entanto, o volume de serviços ainda está 2,8% abaixo do ponto mais alto da série histórica da pesquisa, de novembro de 2014.

Em maio, todas as cinco atividades pesquisadas tiveram resultado positivo, o que segundo o gerente do levantamento no IBGE, Rodrigo Lobo, se tornou mais frequente pelos efeitos da pandemia.

“Isso tem relação com a base de comparação baixa por causa dos efeitos das medidas de isolamento social, especialmente nos serviços de caráter presencial. De lá para cá, com a redução das restrições, essas atividades seguem em ritmo mais acelerado”, explicou ele.

Questões conjunturais como a inflação elevada e o desemprego alto ainda afetam a economia. Apesar de o setor seguir se beneficiando da abertura da economia pós-pandemia, pode enfrentar uma desaceleração dado o aperto nas nas condições monetárias e financeiras.

No mês, os destaques ficaram para os avanços de 0,9% tanto do setor de Transportes quanto do de Serviços de informação e comunicação. Somente o transporte de cargas avançou 1,8% no mês, atingindo o ponto mais alto da série histórica iniciada em janeiro de 2011.

“Houve uma recuperação de serviços presenciais nos últimos meses e um aproveitamento maior de Serviços de tecnologia da informação e de Transportes", disse Lobo.

“Quem tem ditado o crescimento do setor é serviços de comunicação. E em paralelo a isso tem o retorno da demanda presencial graças à flexibilização de medidas com o avanço da vacina", completou.

Segundo Lobo, somente os Serviços prestados às famílias estão abaixo do nível pré-pandemia entre os cinco setores pesquisados--mesmo após expansão de 1,9% em maio, esse segmento ainda está 7,0% abaixo do nível de fevereiro de 2020.

"Nesse caso, tem impacto do nível de emprego, renda e inflação", disse Lobo.

O índice de atividades turísticas, por sua vez, cresceu 2,6% em maio, no terceiro resultado positivo consecutivo, acumulando no período ganho de 11,7%. Ainda assim, o turismo ainda está 0,1% abaixo do patamar pré-pandemia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos