Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,65
    +0,60 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.784,10
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.669,04
    +420,97 (+0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.382,50
    +64,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2764
    -0,0633 (-1,00%)
     

Volume global de encomendas passou 131 bilhões em 2020

·2 min de leitura

O volume global de encomendas enviadas em 2020 atingiu 131,2 bilhões segundo o Pitney Bowes Parcel Shipping Index, levantado pela Pitney Bowes, empresa de remessa e correio que fornece tecnologia, logística e serviços financeiros. Isso equivale a 4.160 pacotes despachados por segundo, um aumento de 27% em relação a 2019, e uma média de 34 despachos por pessoa.

O índice mede o volume e os gastos de encomendas com peso de até 31,5 Kg em 13 mercados (que reúnem 3,8 bilhões de pessoas): EUA, Canadá, Brasil, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Noruega, Suécia, China, Japão, Austrália e Índia.

Brasil experimentou o maior crescimento no volume de encomendas ano a ano: foram 46% (Imagem: Reprodução/Divulgação/Correios)
Brasil experimentou o maior crescimento no volume de encomendas ano a ano: foram 46% (Imagem: Reprodução/Divulgação/Correios)

No período abordado, o Brasil experimentou o maior crescimento no volume de remessas ano a ano: foram 46% (o que levou o volume a 1,2 bilhão de encomendas). Em seguida, vêm EUA com 37% e Reino Unido com 33%.

Apesar do aumento no volume no Brasil, a receita por pacote teve a maior taxa de declínio: 22% ano a ano. A participação dos Correios no mercado teve queda de 15 pontos percentuais na receita no período. Entre 2014 e 2020, o declínio acumulado foi de 27%.

Crescimento deve continuar

Em termos globais, a estimativa é que os números continuem a subir: o volume pode chegar a 303 bilhões em 2026. O resultado mais provável, porém, é que ele dobre em cinco anos e atinja 266 bilhões, com uma taxa de crescimento anual de 8%. Segundo o índice, houve aumento em todas as regiões pesquisadas em 2020, menos na Índia.

A China é o maior mercado em volume, com 83,4 bilhões de pacotes em 2020 ou 2.643 enviados a cada segundo. Para a Pitney Bowes, a China deve ser o primeiro país a atingir 100 bilhões de remessas em um ano — provavelmente ainda em 2021. Desde a criação do índice, 2020 foi o primeiro em que o volume de encomendas nos EUA aumentou mais rapidamente do que na China.

2020 foi o primeiro em que o volume de encomendas nos EUA aumentou mais rapidamente do que na China (Imagem: Reprodução/Envato/twenty20photos)
2020 foi o primeiro em que o volume de encomendas nos EUA aumentou mais rapidamente do que na China (Imagem: Reprodução/Envato/twenty20photos)

A receita de pacotes em transportadoras aumentou em 2020 em todos os 13 países pesquisados e chegou a US$ 429,5 bilhões, um aumento de 22% em relação a 2019. Os EUA continuam sendo o mercado com a maior receita. Países como EUA, Brasil e Austrália viram suas transportadoras perderem mercado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos