Mercado abrirá em 4 h 59 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,42
    +0,93 (+1,32%)
     
  • OURO

    1.780,40
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    42.567,79
    -760,87 (-1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.060,55
    -3,29 (-0,31%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.043,37
    +62,39 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.056,75
    +32,75 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1771
    -0,0020 (-0,03%)
     

Volume de exportação de carne bovina do Brasil cai em julho, mas bate US$1 bi pela 1ª vez

·2 minuto de leitura
Trabalhador separando carne em instalação da JBS em Santana de Parnaiba, Brasil.

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações de carne bovina do Brasil recuaram 1% em julho em volume, na comparação com igual período do ano passado, mas obtiveram pela primeira na história receita mensal superior a 1 bilhão de dólares, afirmou a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) nesta quinta-feira.

De acordo com dados do Ministério da Economia compilados pela entidade, que levam em conta tanto os produtos in natura quanto os processados, os embarques totalizaram 192.544 toneladas no mês passado, com receita de 1,011 bilhão de dólares.

O faturamento obtido com as exportações da proteína representou salto de 30% em relação ao mesmo mês do ano passado, disse a associação em nota.

O aumento nas receitas reflete movimento verificado também no acumulado de 2021. Nos sete primeiros meses do ano, segundo a Abrafrigo, o volume de exportações caiu 3% ante igual período de 2020, a 1.072.551 toneladas, mas o saldo cambial avançou 9%, a 5,096 bilhões de dólares.

"A China, com suas importações através do continente e por Hong Kong, continua sendo o principal cliente da carne bovina brasileira, apresentando uma leve queda no ano", disse a associação, acrescentando que o país asiático importou 630.552 toneladas no ano até julho, ante 634.138 toneladas nos sete meses iniciais de 2020.

Considerando somente o mês passado, as aquisições pela China tiveram queda de 4% em base anual, a 110.637 toneladas.

"Os Estados Unidos vêm aumentando paulatinamente suas compras e estão se consolidando como o segundo maior cliente do produto brasileiro, com 52.962 toneladas importadas de janeiro a julho (4,9% do total exportado), crescimento de 93,2% em relação... a mesmo período de 2020", acrescentou a Abrafrigo.

A receita obtida com os embarques aos norte-americanos mais que dobrou no acumulado do ano, a 393,8 milhões de dólares.

Até o início do ano passado, os EUA mantinham um embargo à carne bovina in natura do Brasil. O mercado foi reaberto apenas em fevereiro de 2020, após três anos de suspensão.

A lista de maiores compradores da carne bovina brasileira ainda conta com Chile (48.832 toneladas adquiridas no ano, alta de 22,9%), Egito (32.932 toneladas, queda de 56,3%) e Filipinas (32.642 toneladas, avanço de 54,3%), concluiu a Abrafrigo.

(Por Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos