Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    36.061,93
    -382,40 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

A volta dos aviões comerciais supersônicos está confirmada; veja o porquê

·2 minuto de leitura

O mercado da aviação mundial terá voos supersônicos comerciais novamente. A United Airlines, uma das maiores companhias aéreas dos Estados Unidos, confirmou a compra de 15 aeronaves da startup estadunidense Boom Supersonics, que deverá entregar as primeiras unidades em 2029. Com isso, o setor deve sofrer uma volta consistente de aviões com essa tecnologia.

Desde 2003 sem voos oficiais, o Concorde é a referência quando pensamos em aviões supersônicos comerciais. A possibilidade de fazer rotas intercontinentais em menos tempo do que jatos convencionais, além do luxo a bordo, era privilégio para poucos devido aos altos custos operacionais. E é nisso que a Boom focou quando anunciou o desenvolvimento dos modelos comprados pela UA, o Overture.

A promessa da empresa é de que o avião seja ecologicamente mais correto e eficiente do que o modelo francês, que atuava com motores altamente poluentes de pós-combustão. A Boom projetou o Overture para ser 100% neutro em carbono desde seu primeiro voo, que ainda vai acontecer — em caráter experimental — até 2026. Além disso, a cabine e o serviço prometem ser mais confortáveis e menos custosos, chegando a mais pessoas pelo mundo, já que o Concorde, justamente por seus elevados gastos operacionais, tinha a presença majoritária de passageiros mais abonados.

Tecnicamente falando, o Overture será tudo aquilo que o Concorde foi em termos de desempenho e autonomia. A promessa é de que ele faça voos entre Nova Iorque e Londres em apenas três horas e meia. Já a rota entre Los Angeles e Tóquio poderá ser realizada em apenas seis horas. Tudo a uma altura aproximada de 18 mil metros e a uma velocidade de 2.100 km/h.

Necessidades legais e operacionais

Além do desafio de construir uma máquina dessas, a Boom terá de correr com as regulamentações e certificados. Em muitos países não é possível operar com aviões supersônicos devido ao seu estrondo da ultrapassagem da velocidade do som. Mesmo com tecnologias sendo trabalhadas para mitigar esse som assustador, como a da NASA, esse desafio será enorme e demandará muito jogo de cintura da empresa.

Imagem: Boom Supersonics
Imagem: Boom Supersonics

Mas, o principal desafio da Boom e, claro, da United Airlines é fazer com que os voos supersônicos estejam ao alcance de todos. Caso esse serviço se popularize, os clientes e a aviação tendem a ganhar. As empresas, aliás, estão buscando soluções para que o combustível utilizado seja o menos poluente possível, já que os motores do Overture serão, de fato, mais modernos e eficientes do que os do Concorde.

Lembremos, também, que outras empresas estão trabalhando em avões supersônicos, como a estadunidense Aerion.

Cronograma de operação

A United Airlines deve receber as primeiras unidades do Overture em 2029. Já o primeiro voo de teste da aeronave deve ocorrer em 2026.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos