Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    36.008,07
    +388,77 (+1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Volta de Daniel Alves premia bom momento, mas escancara carência na seleção

·4 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 17-11-2019 - Jogador do São Paulo Daniel Alves. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 17-11-2019 - Jogador do São Paulo Daniel Alves. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Desde que chegou ao São Paulo, em agosto de 2019, Daniel Alves não esconde de ninguém o desejo de disputar a Copa do Mundo de 2022, no Qatar.

Mas a atuação como meio-campista no clube parecia distanciar o jogador de 38 anos do sonho de participar de mais um Mundial. O próprio técnico da seleção brasileira, Tite, o havia deixado de fora das últimas convocações.

Recentemente, com a chegada de Hernán Crespo ao Morumbi, Daniel retornou para o lado do campo e, como ala pela direita, tem desempenhado bem no time tricolor. O rendimento satisfatório em sua posição de origem parece ter recolocado o veterano na rota para a próxima Copa, na qual terá 39 anos.

Nesta sexta-feira (14), Tite deu um sinal positivo para o jogador, convocado para os duelos contra Equador e Paraguai, em junho, pelas Eliminatórias.

O retorno à equipe nacional às vésperas da Copa América premia o bom momento do atleta e também sublinha a falta de opções confiáveis para o setor. O outro nome anunciado por Tite foi Danilo, 29, que tem sido o titular na posição, mas não é visto como unanimidade -como era Daniel Alves à época da Copa América.

"Ele [Daniel Alves] é de alto nível, tem longevidade da carreira, tem o bom momento e o histórico dentro da seleção. Principalmente quando se tem jogos de Eliminatórias, procuramos o aspecto físico e o técnico na sua plenitude. Temos a felicidade de ver o Dani jogando em alto nível", disse o técnico, nesta sexta, durante o anúncio dos convocados.

Além de Danilo, outra opção trabalhada por Tite nas primeiras rodadas das Eliminatórias foi o palmeirense Gabriel Menino, 20, convocado por André Jardine para a seleção olímpica. O jogador do Palmeiras é meio-campista, mas já atuou como lateral ou ala no clube.

Tanto em Danilo como em Menino, o treinador enxerga a qualidade para ser construtor por dentro, função desempenhada por Daniel Alves na Copa América de 2019, quando vestiu a braçadeira de capitão da equipe nacional na conquista do título.

Na fase ofensiva, especialmente contra adversários que se fecham com muitos homens na defesa, o Brasil procura ocupar o campo rival em um 2-3-5, com cinco jogadores bem adiantados e três meias por trás que dão sustentação.

Um desses três atletas no meio de campo é o lateral direito, que sai do lado para construir o jogo pela faixa central, com visão ampla do ataque.

É um movimento que Daniel Alves já fez na seleção e também tem feito no São Paulo. No clube, ele atua como ala pela direita em um 3-4-1-2 e por vezes centraliza jogadas para buscar combinações ou progredir com a bola dominada.

Do outro lado, Reinaldo ataca mais a linha de fundo e, com Crespo, tem recebido a bola em posição adiantada, quase como um ponta, semelhante ao papel que Renan Lodi tem na equipe de Tite.

"Se remetermos um pouco antes e lembrarmos do Dani Alves na Copa América, vai se lembrar dele nessa função. Na construção, ser um articulador, mais central, semelhante à articulação que ele vem desenvolvendo no São Paulo", afirmou o treinador da seleção.

"É a função que ele exerce e produz mais. Nessa fase ofensiva, Alex Sandro e Lodi podem estar numa função mais avançada, e o Dani em uma função de articulação. O Danilo também trabalha como um terceiro articulador central, muito poucas vezes utilizamos ele como terceiro zagueiro. O nosso lateral é um articulador, essa é a ideia com ele [Daniel]."

O camisa 10 são-paulino voltou a jogar em sua posição a partir do clássico com o Palmeiras, no dia 16 de abril, pelo Campeonato Paulista, por conta de uma lesão de Igor Vinícius.

Daniel Alves deu a assistência para Pablo marcar o gol do triunfo por 1 a 0 no Allianz e, a partir do Choque-Rei, não deixou mais a ala direita.

Convencido por Crespo a permanecer na posição em que se sente mais à vontade, o jogador disputou 11 partidas na temporada e já distribuiu quatro passes para gol. Mesmo aos 38 anos, tem atuado com frequência na maratona de jogos da equipe.

No duelo com o Racing (ARG), pela Libertadores, Daniel Alves deixou o campo com uma lesão na coxa direita, que o tirou do confronto pelas quartas de final do Paulista, contra a Ferroviária, nesta sexta.

O problema muscular, contudo, não deverá ser problema para o aproveitamento do atleta na seleção, que tem os compromissos pelas Eliminatórias em junho.