Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -658,25 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.990,94
    -26,59 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,29 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6630
    +0,0529 (+0,80%)
     

Volta da Nintendo ao Brasil não tem a ver com redução de IPI por Bolsonaro

EDUARDO MOURA
·4 minutos de leitura

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Depois de cinco anos fora daqui, a Nintendo volta oficialmente ao Brasil nesta sexta (18) e passa a distribuir o seu console, o Switch, em lojas locais -físicas e virtuais. Há pouco mais de um ano, em afago à sua base gamer, Jair Bolsonaro (sem partido) reduziu impostos sobre consoles e jogos de videogames. "Após ler em meu Face[book] o apelo do leitor Vennicios M. Teles pedindo para baixar impostos sobre jogos eletrônicos, resolvi consultar nossa equipe econômica", anunciou o presidente no Twitter, em julho de 2019. Mas qualquer correlação apressada entre Bolsonaro e a vinda Nintendo é errada. É o que diz Romina Whitlock, diretora de marketing da Nintendo para a América Latina. "A gente sabe do amor do presidente e de seus filhos por games [risos]. Mas não, a gente vem planejando o retorno ao Brasil há anos", diz. Segundo ela, chegar no país após redução do IPI para videogames é apenas uma coincidência -o plano era ter voltado mais cedo em 2020, o que foi atrapalhado pela pandemia do coronavírus. "Mas sim, claro, a redução de impostos ajuda um pouco, mas não temos planos de fabricar [o console] no Brasil", diz Whitlock. A estratégia de ir comendo pelas beiradas teve início ainda em 2018, quando foram lançados cartões pré-pagos para jogos de Switch. Um ano depois, tiveram um stand gigantesco na BGS (Brazilian Game Show), importante evento de games no país -onde não dava as caras desde 2012. Este ano, deram um workshop para desenvolvedores brasileiros no BIG Festival, focado em jogos indies. A volta da Nintendo também pode ter como consequência uma maior presença brasileira no Switch. Segundo Whitlock, a empresa está ativamente em busca de mais jogos brasileiros para compor a biblioteca da Nintendo. Um exemplo que fez sucesso no Switch em outros consoles é o "Horizon Chase Turbo", da Aquiris, estúdio de Porto Alegre. O jogo homenageia "Top Gear", clássico de corrida para Super Nintendo, nos anos 1990. E o que de fato muda, agora, com a volta da empresa? O que há de mais palpável por enquanto é o fato da empresa voltar a oferecer assistência técnica focada nos brasileiros. Mas haviam duas expectativas principais que pairavam nas redes sociais. A primeira era a chamada "localização" dos jogos, ou seja, tradução para o idioma local -os jogos de propriedade intelectual só da Nintendo, como os blockbusters "Super Mario Odyssey" e "Zelda: Breath of the Wild", não vêm em português brasileiro, e o console só tem a opção de português lusitano. O encanador italiano Mario, entretanto, deve continuar sem falar nossa língua por enquanto -a empresa não tem previsão de traduzir ou dublar conteúdo para o português brasileiro, um dos pedidos mais recorrentes dos fãs brasileiros da Nintendo. A segunda expectativa era de que a vinda da empresa japonesa impactasse os preços e aliviasse um pouco os bolsos dos nintendistas. Alguns jogos, na verdade, tiveram um aumento recente. "Paper Mario", por exemplo, foi de R$ 250 para R$ 300. O Switch terá o preço sugerido de R$ 2.999, que é um valor bem superior àquele que podia ser encontrado em meados do ano passado, quando o videogame podia custar em torno de R$ 1.800, em sites como Amazon. Mas, em contrapartida, também é um preço melhor do que R$ 4.000 -valor que tangenciou após os primeiros meses de quarentena no Brasil, período a partir do qual a procura pelo console explodiu. "Esses são os preços hoje, com o câmbio como está hoje", avisa Whitlock. Com o real desvalorizado, o dólar segue nas alturas, passando dos R$ 5. Junte a isso as dificuldades de logística e planejamento quem vêm com uma pandemia -o resultado dessa conta dificilmente seria um preço mais baixo. "Eu sei que este é um momento estranho e triste. Com uma pandemia, o mundo como um todo não está indo bem economicamente. Então as flutuações da moeda mexeram com os nossos preços, e infelizmente isso foi parte da matemática que nós tivemos que fazer para que conseguíssemos chegar aí [no Brasil]", diz Whitlock. "Se as coisas melhorarem, teremos um ajuste de preços", diz Whitlock, tentando não descartar um futuro mais otimista. Apesar disso, o clima brasileiro não parece ser dos melhores para os videogames -pelo menos a curto prazo. A volta vai ocorrer também poucos dias após a Sony Brasil ter anunciado que irá fechar em março de 2021 a fábrica de Manaus (AM), e que não vai mais vender TVs, câmeras digitais e produtos de áudio no Brasil. A fábrica, no entanto, não produzia o PlayStation 4. O Switch passa a ser distribuído no Brasil também em momento aquecido por lançamentos. Daqui a algumas semana, em novembro, Microsoft e Sony lançam seu novos e aguardados consoles de nova geração -o Xbox Series X e S e o PlayStation 5.