Mercado abrirá em 4 h 52 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,91
    +0,48 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.783,50
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    47.826,54
    -6.704,12 (-12,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.087,69
    -155,37 (-12,50%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.925,27
    -12,97 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    29.054,86
    +299,52 (+1,04%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.790,00
    +39,75 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Volta de banqueiros argentinos a escritórios em risco por Covid

Ignacio Olivera Doll
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Vários dos maiores bancos da Argentina conseguiram trazer mais funcionários de volta aos escritórios com a queda dos casos de Covid-19. Mas um novo salto das infecções coloca esse retorno em risco.

Cerca de 50% dos banqueiros do BBVA Argentina trabalham duas vezes por semana no escritório, embora o local fique praticamente fechado às quartas-feiras para intensa limpeza. O Banco Santander Río, maior instituição financeira privada do país por ativos, atingiu a meta de 40% de funcionários no escritório pelo menos metade da semana do mês passado, segundo uma pessoa com conhecimento direto do assunto que pediu para não ser identificada.

Enquanto caixas e outros funcionários que atendem clientes de varejo voltaram aos locais de trabalho em meados do ano passado, banqueiros de investimento, analistas e funcionários de backoffice tiveram um retorno mais lento em meio aos cerca de 2,4 milhões de casos de coronavírus e mais de 56 mil mortes. Menos de 10% dos argentinos já receberam a primeira dose de vacina, e o governo alerta que os casos podem aumentar novamente com a chegada do inverno.

O país registrou recorde de 20.870 casos diários na noite de terça-feira, o que reforçou a expectativa de que as autoridades vão intensificar as restrições de mobilidade.

Globalmente, bancos mostram resultados divergentes na tentativa de trazer funcionários de volta aos escritórios. Firmas de Wall Street tiveram que reverter os planos após um forte aumento dos casos de Covid em dezembro e janeiro, e agora estudam adotar alguma forma de trabalho remoto permanente para muitos funcionários, mesmo quando a distribuição de vacinas torna menos arriscado o retorno aos escritórios. No Brasil, o Itaú Unibanco avalia permitir que um terço da equipe alterne entre trabalho remoto e no escritório.

A Argentina foi duramente atingida pela pandemia, apesar do lockdown inicial, um dos mais rígidos no continente americano. Agora, após uma reabertura parcial, o governo voltou a reduzir voos de países vizinhos e publicou no mês passado uma lista de diretrizes que permitiriam às autoridades de províncias restringir certas atividades se necessário. Regulamentações adicionais podem alterar os planos atuais dos bancos.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.