Mercado abrirá em 8 h 51 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,77
    -0,26 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.917,40
    -12,10 (-0,63%)
     
  • BTC-USD

    12.793,94
    +1.736,93 (+15,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    256,28
    +11,39 (+4,65%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.700,65
    -53,77 (-0,22%)
     
  • NIKKEI

    23.454,85
    -184,61 (-0,78%)
     
  • NASDAQ

    11.623,00
    -68,25 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Volta às aulas: como escolas do Rio estão se preparando para retorno presencial após decisão da Justiça

Redação Notícias
·3 minutos de leitura
Getty Images
Getty Images

Cerca de duas semanas após retomar as atividades, para novamente fechar as portas após uma decisão da Justiça que suspendeu a volta às aulas, a Escola Nova, na Gávea, Zona Sul do Rio, foi uma das instituições particulares da cidade que retomaram as atividades presenciais nesta quinta-feira.

Depois de dois meses de incertezas, a Justiça determinou nesta quarta-feira que a Prefeitura do Rio pode autorizar o retorno das aulas presenciais na rede privada. A decisão foi tomada por unanimidade pelo desembargador Peterson Barroso Simão, da 3ª Câmara Cível, e outros dois magistrados, que julgaram um agravo de instrumento sobre a decisão que impedia o município de liberar o funcionamento das unidades de ensino.

Leia também:

Na Escola Nova, alunos do 1º, 4º, 5º, 8º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3º ano do Ensino Médio voltaram à unidade. Na fachada do prédio, desenhos de estudantes mais novos davam as boas-vindas. As ilustrações foram colocadas no portão há alguns dias, e algumas trazem a frase “queremos voltar pra escola”.

— Estamos dando continuidade ao que estava planejado para aquela semana em que tudo foi interrompido. A adesão agora está bem maior, principalmente entre as turmas mais velhas. Acho que esse tempo fez os pais se prepararem melhor para o retorno — explica Mariana Guaraná, uma das diretoras da unidade.

Entre os alunos, a sensação é um misto de animação com ansiedade, e também nervosismo com a possibilidade de as aulas serem novamente interrompidas. Pietra, de 7 anos, chegou a dar uns pulinhos de alegria antes de entrar na escola e passar pelo protocolo de limpeza e medição de temperatura.

— Naquela semana que as aulas foram suspensas ela ficou bem triste. É difícil para eles entenderem. Ela encontrava os amiguinhos na pracinha, e não entendia porque não podia voltar para a escola — conta o pai da menina, Paulo Farias.

As aulas presenciais também foram retomadas nesta quinta-feira no CEL Intercultural School. De acordo com a direção, o retorno voluntário começa com turmas do Fundamental 1, nas unidades da Barra da Tijuca, na Zona Oeste, do Norte Shopping, no Cachambi, Zona Norte, e da Rua Lopes Quintas, no Jardim Botânico, Zona Sul.

Enquanto isso, outras unidades ainda se prepararam para voltar a receber os alunos. No Colégio Franco-Brasileiro, em Laranjeiras, a volta às aulas presenciais está programada para a próxima segunda-feira.

Ainda no início de agosto, quando a prefeitura autorizou o retorno facultativo das atividades presenciais nas escolas, a Camões-Pinochio, em Jacarepaguá, na Zona Oeste, chegou a reabrir. Na época, foram cerca de 40 alunos, de um total de 570. A direção da escola trabalha com a possibilidade retomar as aulas também na próxima segunda.

— Estamos conversando com o jurídico, se tudo der certo iremos contactar os pais sobre os protocolos de segurança e abrimos na segunda-feira — diz Luciano Nogueira, diretor-executivo da escola.

Já no Colégio Santo Inácio, em Botafogo, na Zona Sul, ainda não há previsão para o retorno, assim como no Colégio Marista São José, na Tijuca, Zona Norte, e na Barra, e no Centro Educacional Anisio Teixeira (CEAT), em Santa Teresa, na região central.

Em um comunicado enviado aos responsáveis, a direção da Escola Edem, em Laranjeiras, disse que “o quadro de incertezas continua enorme”. A unidade ainda não tem data para a volta dos alunos. “O 'Cabo de Guerra' entre diversas esferas de poder parece não ter fim. A Escola vem se preparando para o retorno às aulas, mas, concretamente até o momento, as escolas particulares não têm qualquer segurança na área jurídica sobre o que deve ser feito”, diz a circular.

A direção da Escola Carolina Patrício, na Barra e São Conrado, discute nesta quinta-feira uma data para a retomada das atividades. Já a rede Pensi, com unidades em nove bairros das zonas Sul, Norte e Oeste, decidiu manter, por enquanto, as aulas remotas, e ainda não trabalha com datas para a retomada do ensino presencial.

Do EXTRA