Mercado abrirá em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,24
    -0,50 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.652,20
    -3,40 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    19.137,98
    +77,47 (+0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,16
    -6,38 (-1,43%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    6.988,24
    -30,36 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.322,25
    -54,50 (-0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0738
    -0,0238 (-0,47%)
     

Volkswagen de São Bernardo vai incentivar demissão voluntária

·1 min de leitura
Volkswagen
Empresa ampliou os benefícios para quem entrar no programa

(Getty Images)

  • Volkswagen abrirá programa de demissão voluntária

  • Empresa alega ter ao menos 450 funcionários excedentes na fábrica de São Bernardo do Campo (SP)

  • Iniciativa deve ter início em janeiro

A Volkswagen abrirá um programa de demissão voluntária (PDV) para corrigir a quantidade de trabalhadores em sua fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Segundo a montadora, há um excedente de 450 funcionários.

Leia também:

A iniciativa está prevista para acontecer no ano que vem, depois que os profissionais voltarem de férias coletivas em 18 de janeiro. Além desse grupo, que trabalhava no extinto terceiro turno, a empresa tem outros 1,9 mil colaboradores em lay-off, ou seja, com contrato suspenso por até cinco meses. Eles faziam parte do segundo turno.

Para atrair os funcionários à demissão voluntária, a Volkswagen ampliou a quantidade de benefícios oferecidos, como o número de salários extra. Antes, eram ofertadas entre 25 e 35 remunerações – dependendo do tempo de casa de cada trabalhador -, mas agora o número deve aumentar para 35 a 45. A proposta foi aceita em assembleia realizada na terça-feira (14) pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Desde novembro, a Volkswagen tem atuado com somente um turno de funcionários. O motivo é a falta de semicondutores, peças essenciais para a produção dos carros. Por enquanto, não há previsão para a turma afastada retornar, já que a decisão só será tomada quando o abastecimento dos itens regularizar.