Mercado fechará em 2 h 4 min
  • BOVESPA

    111.255,48
    +582,72 (+0,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.409,09
    +6,39 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,63
    +0,67 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +15,70 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    66.486,19
    +3.611,66 (+5,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.546,98
    +66,18 (+4,47%)
     
  • S&P500

    4.538,07
    +18,44 (+0,41%)
     
  • DOW JONES

    35.654,73
    +197,42 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.385,00
    -13,50 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4610
    -0,0352 (-0,54%)
     

Volkswagen prevê crise de chips até segundo semestre de 2022

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O executivo que comanda a divisão da Volkswagen nas Américas prevê a normalização da produção de automóveis nos Estados Unidos apenas no segundo semestre de 2022 devido aos surtos de Covid-19 na Malásia, que agravaram os gargalos nas cadeias de suprimentos.

Most Read from Bloomberg

“Normal - quando poderemos fabricar todos os carros que queremos exatamente quando queiramos - acho que não será possível até o segundo semestre do ano que vem”, disse Scott Keogh, CEO da unidade da América do Norte da Volkswagen, em entrevista na fábrica da empresa em Chattanooga, Tennessee.

O déficit global de semicondutores reduziu a produção de automóveis no mundo todo e deixou showrooms com menos modelos para venda, mesmo com a maior demanda durante a pandemia.

Em meados do ano, a Volkswagen foi obrigada a interromper a produção dos utilitários esportivos Taos e Tiguan na fábrica de Puebla, no México, e está desviando chips destinados ao sedã Passat, com vendas mais lentas, para a produção do SUV Atlas, mais lucrativo, fabricado em Chattanooga. Também prepara a fábrica do Tennessee para produzir o ID.4, seu primeiro SUV elétrico, em junho do ano que vem.

A fábrica de Chattanooga opera a plena capacidade - quando tem chips - e planeja contratações para aumentar ainda mais a produção, de acordo com Johan De Nysschen, diretor de operações da divisão da Volkswagen nas Américas.

A pandemia expôs uma “lacuna estrutural” entre a produção e a demanda de chips, e os problemas causados pelo vírus apenas agravaram o desequilíbrio, disse Keogh. Mas a situação não foi totalmente negativa para as montadoras.

Os estoques apertados elevaram os preços e resultaram em gastos mínimos com incentivos, o que melhorou os resultados. Isso ajudou a unidade da Volkswagen nos Estados Unidos a lucrar em 2020 pela primeira vez em oito anos, disse Keogh, após uma reformulação da linha de sedans para SUVs.

Quando a escassez de semicondutores finalmente diminuir, a Volkswagen planeja ter menos carros nos lotes das concessionárias, porque isso provou ser mais lucrativo para fabricantes e revendedores, disse Keogh.

“Voltar aos dias em que havia oferta para 100 a 120 dias não vai acontecer”, afirmou. “Agora, as pessoas têm oferta para 30 a 40 dias e está funcionando muito bem. Algo em torno de 40 a 50 dias seria ótimo.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Most Read from Bloomberg Businessweek

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos