Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,34
    -0,37 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.629,30
    -4,10 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    19.115,60
    +408,63 (+2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.315,50
    -61,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1805
    +0,0829 (+1,63%)
     

Volkswagen está subvalorizada, mas negócio de baterias pode ajudar, diz 2° maior acionista

Por Andreas Rinke

BERLIM (Reuters) - O Estado alemão da Baixa Saxônia, segundo maior acionista da Volkswagen, vê a montadora como subvalorizada na bolsa, mas acredita que seu crescente negócio de baterias pode aumentar seu valor de mercado, disse o primeiro-ministro do Estado nesta sexta-feira.

Enquanto a montadora e sua maior acionista, Porsche SE, se preparam para listar a fabricante de carros esportivos Porsche, Stephan Weil disse acreditar que Volkswagen tem um potencial muito acima de sua avaliação atual, acrescentando que não é hora de considerar aumentos de capital.

"A Volkswagen tem um potencial inacreditável... há muitos indícios de que suas atividades em torno de baterias aumentarão o valor do grupo de maneira sustentável", disse Weil, que está em campanha eleitoral.

A Baixa Saxônia, onde está localizada a sede global da Volkswagen, possui uma participação de 11,8% na montadora e controla 20% dos direitos de voto.

O valor de mercado da Volkswagen ultrapassou 100 bilhões de euros em março de 2021, quando a montadora divulgou metas ambiciosas de eletrificação, mas caiu para 82,9 bilhões de euros em meio a um recuo amplo nas ações europeias como um todo.

O ex-presidente-executivo da Volkswagen Herbert Diess disse em dezembro esperar que a crescente divisão de baterias da montadora, que planeja construir seis fábricas na Europa e duas na América do Norte, gere 20 bilhões de euros de receita até 2030.

As conversas até agora sobre uma listagem da Porsche, que poderia ser lançada já na próxima semana, correram bem até agora, disse Weil, acrescentando que o Estado continua comprometido com sua participação no Grupo Volkswagen.

Os investidores estimaram que a Porsche sozinha poderia ser avaliada em algo entre 60 e 85 bilhões de euros no caso de uma listagem, embora alguns sugiram que condições de mercado desfavoráveis ​​deveam levar o número ao piso dessa faixa.

(Por Andreas Rinke)