Mercado abrirá em 2 h 24 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,72
    +0,67 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.699,50
    +21,50 (+1,28%)
     
  • BTC-USD

    54.127,23
    +4.507,10 (+9,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,90
    +69,69 (+6,80%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.748,13
    +29,00 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.534,75
    +237,50 (+1,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Volatilidade soa alarme enquanto bolsas mantêm rali de alta

Yakob Peterseil
·4 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os temores desencadeados pela pandemia ainda ressoam nos mercados que operam índices de volatilidade, mesmo com as bolsas em altas recordes e especuladores de Wall Street se empanturrando com todo tipo de risco.

Apesar de toda a euforia nos mercados, o Cboe Volatility Index manteve-se elevado, em uma divergência histórica entre esse indicador de medo do investidor e a recuperação das ações. O VIX não fecha abaixo de 20 desde fevereiro do ano passado. Seu nível atual de 23 está cerca de seis pontos acima da média da década.

Para Dean Curnutt, da Macro Risk Advisors, o VIX está “em uma ilha própria”. E não existem explicações fáceis.

À medida que a rotação do mercado reduz as correlações e aumenta o apetite ao risco, os estrategistas de Wall Street há muito esperavam uma queda vigorosa no indicador, que usa o mercado de opções para medir a volatilidade implícita de 30 dias do S&P 500.

Portanto, aqui estão quatro teorias sobre por que as coisas não são tão simples em termos de volatilidade.

Aftershocks

Em primeiro lugar: o passado é o prólogo. Historicamente, choques de volatilidade, como o caos causado pela Covid em março, demoram para retornar ao seu curso. Afinal, a volatilidade implícita reflete em grande parte o que aconteceu recentemente nos mercados. Após a crise financeira global, por exemplo, a normalização demorou cerca de 15 meses. Já se passaram 10 meses desde a ação que fez o VIX disparar para um nível recorde com o vírus.

Dado o precedente, pode levar vários meses antes que o indicador do medo se estabilize em um nível mais moderado, especialmente à luz do colapso prolongado no ciclo de investimento e consumo global.

“O VIX caiu mais rapidamente do que o normal, mas agora entrou em um declínio mais lento”, disse Vance Harwood, da Six Figure Investing, uma consultoria especializada em volatilidade. “Estamos apenas vendo os efeitos colaterais normais de um crash do mercado.”

Adicione atrasos ao lançamento de vacinas e há boas razões para essa ser uma longa jornada de volta a uma espécie de normal pré-pandemia.

Culpa das techs

Talvez algo mais esteja em ação também. O hedge fund Man Group culpa o peso cada vez maior da tecnologia no Índice S&P 500.

As ações de tecnologia estão agora se aproximando de 30% no índice de ação dos EUA, acima dos cerca de 20% de cinco anos atrás, de acordo com Man. No ano passado, os investidores acumularam papeis ligados a esse setor em função da demanda por serviçoes ligados ao homeworking, o que levou a fortes vendas quando o sentimento se inverteu.

Quando um setor volátil passa a dominar o índice, “obtemos mais ocorrências de aumentos simultâneos nos mercados de ações e no de mercado de volatilidade”, escreveram os estrategistas da empresa em uma nota.

Na opinião do Man, um “reequilíbrio suave” da tabela de classificação do mercado de ações às custas do setor de tecnologia estimularia uma queda no VIX. Caso contrário, prepare-se para maior volatilidade implícita por mais tempo.

Febre das opções

A explosão das compra de opções de compra também se tornou uma força inegável nos mercados, com alguns culpando-a por empurrar o preço das ações subjacentes a esses derivativos. Um impacto mais direto foi o aumento do nível geral de volatilidade das ações.

Estimulados pela febre especulativa do varejo, os pequenos operadores de opções estão fazendo apostas recorde, com volumes 20% maiores do que no verão passado, de acordo com a Sundial Capital Research. No último frenesi, foram registradas 1 milhão de opções de compra da GameStop Corp. na sexta-feira, seguido por outros 500.000 contratos na segunda-feira.

Os revendedores desses derivativos podem, ainda, comprar índice de volatilidade implícita para se protegerem - adicionando pressão ascendente sobre o VIX.

Uma vez que o VIX é calculado usando os preços de opções de venda e opções de compra, quando os preços desses últimos sobem acentuadamente, eles podem elevar também o próprio VIX, da mesma forma que a demanda direta pelo hedge.

“Tem havido muitas compras de opções de compra, não apenas sobre o índice, mas também sobre ações individuais”, disse Michael Purves, estrategista e fundador da Tallbacken Capital. “E essa tem sido uma das razões pelas quais o VIX foi elevado.”

Escassez de ‘vendidos’

Por fim, a volatilidade implícita afeta a oferta e a demanda de opções e, desde o início da pandemia, no ano passado, a fonte de ofertas desses derivativos praticamente desapareceu dos mercados.

Antes de março de 2020, investidores institucionais vendiam opções em massa, como forma de gerar receita em um mundo de baixo rendimento.

Depois que muitos desses operadores desistiram desse tipo de negociação, há menos pressão de venda. E isso pode significar que o VIX elevado tem mais a ver com os dados técnicos do mercado e menos com o ciclo de negócios impulsionado pela pandemia.

“Muitos operadores vendidos em volatilidade foram destruídos em março”, disse Purves. “As pessoas ainda estão muito nervosas para vender novamente.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.