Mercado fechado

Volatilidade cambial está maior, mas isso não significa piora consistente, diz Campos Neto

BRASÍLIA (Reuters) - A volatilidade do câmbio no Brasil está um pouco maior, mas isso não significa que está piorando consistentemente, disse nesta quinta-feira o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

"Nos dias de melhora tem melhora maior e nos dias de piora também tem uma piora maior", afirmou ele, em coletiva virtual de imprensa.

O presidente do BC atribuiu parte dessa volatilidade ao fato de o real ser uma moeda de mercado emergente que tem muita liquidez. Por conta disso, os investidores procuram hedge quando têm algum tipo de problema.

"Tem tido entrada e saída grande nesse sentido. A gente vê, por exemplo, que parte da volatilidade que vimos recentemente é gerada por notícias externas", pontuou ele.

Campos Neto afirmou que o BC está de olho nesse movimento, reconhecendo que ele acaba tendo consequências no operacional para o setor real.

A despeito disso, Campos Neto avaliou que a atuação da autoridade monetária tem sido bem sucedida no mercado cambial, frisando que a forma de intervir do BC não é para estabelecer nenhuma banda de câmbio ou limite.

"É mais para suprir gaps de liquidez e às vezes nós entendemos que existe uma precificação relativa que está disfuncional e acaba contaminando outros mercados", afirmou.


(Por Marcela Ayres)