Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    105,89
    +0,13 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.806,60
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    18.906,68
    -1.304,34 (-6,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,82
    -26,65 (-6,18%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.500,75
    -28,75 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5056
    +0,0950 (+1,76%)
     

Você tem medo de ser espionado pelo parceiro? Quase metade dos brasileiros têm

Existem vários tipos de relacionamentos amorosos, e nem todos eles são saudáveis, com parceiros podendo tentar invadir a privacidade de seus pares, através de táticas de stalking virtual, por questões de insegurança — ser espionado pelo seu par, de acordo com o estudo Stalking online em Relacionamentos, da Kaspersky, preocupa 44% dos brasileiros.

O estudo foi realizado a pedido da Kaspersky pela empresa de pesquisa Sapio de forma online em setembro de 2021 e abrangeu um universo de 21 mil participantes de 21 países, incluindo o Brasil. A motivação da empresa na realização deste estudo e sua posterior divulgação também está relacionada com o segundo aniversário da Coalizão Contra o Stalkerware — entidade que visa combater esta ameaça digital na qual a Kaspersky é cofundadora.

A preocupação dos 44% de brasileiros citados na pesquisa, é principalmente voltada ao stalkerware, software que, após implementado em um smartphone, é capaz de espiar a vida privada de outra pessoa sem o consentimento delas. Eles normalmente se instalam nos celulares de forma que não podem ser identificados pelas vítimas do monitoramento impróprio, e conseguem ter acesso ao microfone e câmera dos aparelhos, muitas vezes — além dos arquivos e conversas armazenadas no dispositivo

A ameaça do stalkerware é grave, mas a Kaspersky afirma que é possível identificá-la através de alguns sinais no celular, que compartilhamos a seguir:

  • Bateria acaba rapidamente.

  • Superaquecimento do dispositivo.

  • Equipamento reinicia sozinho.

  • Plano de dados (4G) termina rápido (ou um consumo exagerado dos dados, caso seja ilimitado ou muito alto)

  • Suspeita que alguém acessou o celular recentemente.

  • App acessando o rastreamento GPS, mensagem de texto, gravações de chamadas ou outras atividades pessoais. Para verificar isso, revise as permissões dos programas instalados.

  • No histórico do navegador: presença de sites desconhecidos ou ausência do histórico.

"Com o crescimento da violência doméstica na pandemia e a relação direta entre a perseguição digital e abusos físicos e psicológicos, acreditamos que é importante conhecer os sinais que podem indicar o monitoramento sem consentimento e, assim, poder atuar preventivamente”, afirma Fábio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

Como se proteger de alguém te espionando

<em>É importante saber como se proteger de possíveis tentativas de pessoas espionando você (Imagem: Divulgação/Annabel P/Pixabay)</em>
É importante saber como se proteger de possíveis tentativas de pessoas espionando você (Imagem: Divulgação/Annabel P/Pixabay)

Embora a pesquisa revele que a maioria dos brasileiros (70%) não acredita que seja aceitável monitorar seu parceiro sem o seu consentimento, há aqueles que pensam que certas razões justificam a vigilância secreta, como infidelidade, questões de segurança ou suspeita de atividades criminosas — o que pode levar a instalação do stalkerware ou outros tipos de violações de privacidade.

Nesse contexto, é importante que as pessoas adotem medidas de segurança em seus dispositivos móveis para evitar que situações de risco, como a do stalkerware, ocorram. Algumas das principais formas de precaução são as seguintes:

  • Tenha uma senha (de preferência forte) para desbloquear o dispositivo. Altere-a com certa frequência.

  • Não revele a senha para ninguém, nem familiar ou amigos.

  • Reveja a lista de apps instalados e remova aqueles que não são mais usados.

  • Desabilite a opção “instalação de apps de terceiros” nos dispositivos Android.

  • Esteja sempre com o celular próximo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos