Mercado fechará em 6 h 22 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,09
    +2,91 (+4,40%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +11,60 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    57.230,88
    -734,31 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,06
    +26,29 (+1,82%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.166,61
    +107,16 (+1,52%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.397,00
    +246,50 (+1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3459
    -0,0241 (-0,38%)
     

Voar em formação permitiria poupar 5% de combustível (Airbus)

·2 min de leitura
Um Airbus A319 (AFP/Daniel SLIM)

Pilotar os aviões um atrás do outro pouparia 5% de combustível em viagens de longa distância, em razão do efeito esteira, declarou a Airbus nesta terça-feira (9) após um experimento transatlântico.

Mais de um ano depois de ter anunciado um acordo com empresas e entidades de tráfego aéreo para demonstrar a possibilidade operacional de voos inspirados nas formações de gansos selvagens, o consórcio europeu de aviação experimentou ligar Toulouse (França) a Montreal (Canadá) com dois A350 de teste voando a 3 km de distância um do outro.

"Isso foi possível graças aos sistemas de controle de voo desenvolvidos pela Airbus que posicionam a aeronave que voa atrás com segurança na esteira da aeronave à frente, reduzindo assim o empuxo do motor e, portanto, reduzindo o consumo de combustível", disse o grupo em um comunicado.

Este voo de "demonstração final", segundo a Airbus, permitiu evitar "mais de 6 toneladas de emissões de CO2, (...)", confirmando um potencial de poupança de combustível de mais de 5% nos voos de longa distância".

Em setembro de 2020, o grupo europeu assinou um acordo com as companhias aéreas Frenchbee e SAS, bem como com organizações de tráfego aéreo (DSNA na França, Nats no Reino Unido e Eurocontrol) para analisar como organizar voos para criar essas formações.

A Airbus, que espera poder desenvolver este sistema até meados da década atual, destaca que agora é necessário "obter o apoio das autoridades para poder certificar este novo conceito operacional".

Embora as companhias aéreas de todo o mundo tenham concordado no mês passado em tentar alcançar 'carbono zero' até 2050, "este tipo de operação melhoraria significativamente o desempenho ambiental das aeronaves comerciais e contribuiria para a meta imediata de descarbonização no setor aeronáutico", destacou a Airbus.

Iniciado em 2019 e apelidado de "fello'fly", este projeto faz parte de um programa mais amplo da Airbus, que visa acelerar o desenvolvimento de futuras tecnologias na aviação.

bur-tq/mra/age/mb/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos