Mercado fechará em 4 h 14 min
  • BOVESPA

    130.820,06
    +1.379,03 (+1,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.257,65
    -28,81 (-0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,42
    +0,51 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.866,60
    -13,00 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    40.569,63
    +4.629,36 (+12,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,18
    +39,34 (+4,06%)
     
  • S&P500

    4.236,86
    -10,58 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.265,24
    -214,36 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.157,88
    +23,82 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.027,25
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1384
    -0,0542 (-0,88%)
     

VLI firma acordo com LD para transporte ferroviário de 500 mil t de celulose/ano

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia de logística VLI anunciou nesta segunda-feira a assinatura de um contrato com a LD Celulose para o transporte de celulose solúvel a partir de uma fábrica que será instalada em Indianópolis (MG), projetando a movimentação de 500 mil toneladas do produto por ano em direção ao porto de Barra do Riacho (ES).

O transporte será realizado por meio da malha da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), com início de operações previsto para o primeiro semestre de 2022, quando a nova fábrica começará a funcionar. O contrato tem validade de 30 anos.

O fluxo logístico da operação terá 1,4 mil quilômetros, conectando diretamente o porto de Barra do Riacho, administrado pela Portocel, com a nova fábrica da LD Celulose, joint venture formada pela austríaca Lenzing e a brasileira Duratex.

"Esta operação é uma solução sob medida para atender a LD Celulose, com a expedição de 100% da sua produção pela ferrovia... A nova fábrica será a quarta unidade industrial voltada para celulose com atendimento ferroviário VLI", disse em nota o gerente de Desenvolvimento de Negócios da VLI, Alexandre Biller.

Segundo a operadora logística, que possui a mineradora Vale como maior acionista, o contrato viabilizará investimentos em pátios ferroviários, terminais de origem e destino, aquisição de novas locomotivas e o desenvolvimento de uma frota de vagões específica para esta operação.

Cada composição será formada por três locomotivas e 68 vagões, podendo transportar cerca de 4,5 mil toneladas, disse a empresa --que, além da Vale, tem entre seus acionistas Brookfield, Mitsui, FI-FGTS e Brasil Port Holdings.

"Além de estarmos localizados dentro de um maciço florestal, o que traz uma distância média muito competitiva, a Ferrovia Centro-Atlântica passa ao lado da empresa, garantindo o escoamento da produção da fábrica direto ao porto", afirmou o presidente-executivo da LD Celulose, Luís Künzel, no comunicado.

(Por Gabriel Araujo)