Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,47 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,20 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,52
    -0,19 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -22,40 (-1,24%)
     
  • BTC-USD

    18.058,41
    +290,35 (+1,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,87 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,28 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,41 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.273,25
    +121,00 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3922
    +0,0523 (+0,82%)
     

VLI e Aperam ampliam acordo em modal ferroviário, veem parceria crescer 300%

Por Gabriel Araujo
·2 minuto de leitura
.
.

Por Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - A operadora logística VLI e a produtora de aço Aperam ampliaram uma parceria para o transporte ferroviário de cargas no Brasil, diminuindo o volume de caminhões na cadeia de produção da siderúrgica, informaram as companhias nesta sexta-feira.

Pelas expectativas das empresas, a parceria deve crescer 300% neste ano em comparação com o ano anterior, com a VLI transportando matérias-primas, materiais siderúrgicos e placas de aço para a Aperam, empresa criada em 2011 a partir do desmembramento da área de inox da Arcelor Mittal.

Segundo a VLI, dois dos fluxos tiveram início neste ano: o transporte de matérias-primas para a usina da Aperam em Timóteo (MG) e o envio de placas de aço do interior mineiro para o Espírito Santo, de onde são exportadas.

Considerando as três movimentações, a previsão para 2020 é de que os fluxos superem as 300 mil toneladas, segundo a VLI.

Antes do acordo, o fluxo de matérias-primas para a siderúrgica era realizado pelo modal rodoviário, o que faz com que a ampliação da parceria tenha resultado em uma forte redução no número de caminhões na cadeia da Aperam.

"Temos fluxos de grande porte, e a operação nos trilhos nos permitiu tirar cerca de 1.300 caminhões por mês das rodovias", disse em nota o gerente executivo de logística da Aperam, Maurício Rodrigues, que vê bons resultados socioambientais com o projeto, "uma alternativa mais limpa de abastecimento".

Antes dos novos acordos, a VLI já realizava o transporte ferroviário de bobinas de aço carbono da siderúrgica entre o Vale do Aço e o terminal de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte.

A unidade da Aperam na América do Sul, antiga Acesita, possui capacidade instalada de 900 mil toneladas de aço líquido e dois altos-fornos em sua planta industrial, trabalhando com linhas de aço inox, aço elétrico e aço carbono especial, segundo dados fornecidos pela companhia.