Mercado fechará em 4 h 42 min
  • BOVESPA

    116.533,83
    +303,71 (+0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.558,16
    -488,42 (-1,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,76
    +1,24 (+1,43%)
     
  • OURO

    1.717,60
    -12,90 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    19.893,81
    -212,11 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    450,36
    -8,04 (-1,75%)
     
  • S&P500

    3.733,98
    -56,95 (-1,50%)
     
  • DOW JONES

    29.962,85
    -353,47 (-1,17%)
     
  • FTSE

    7.035,29
    -51,17 (-0,72%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.388,75
    -252,00 (-2,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1574
    -0,0105 (-0,20%)
     

Vivaldi, Proton e DuckDuckGo pedem fim da publicidade direcionada na internet

·2 min de leitura

Companhias com produtos e serviços focados em privacidade, incluindo DuckDuckGo, Vivaldi e Proton Technologies (dona do Protonmail e ProtonVPN) se uniram em uma carta aberta que demanda a implementação de leis para proteger consumidores de práticas que violam sua privacidade. A mensagem é endereçada a órgãos reguladores dos Estados Unidos, Europa e Austrália.

As companhias pedem pelo fim do direcionamento de propagandas “baseadas em vigilância”. A carta, enviada nesta quarta-feira (7), chama a atenção das autoridades para práticas de monetização de anúncios supostamente nocivas para a privacidade dos usuários.

“No modelo de anúncios baseados em monitoramento, poucos atores obtêm vantagens competitivas na coleta de dados de navegação em sites e serviços, e as plataformas dominantes podem aproveitar suas posições para dar preferência aos próprios sites”, diz um trecho da carta. “Essas práticas prejudicam seriamente a concorrência e tiram receita dos criadores de conteúdo”, completa.

Campanha pede que autoridades internacionais elaborem leis que protejam usuários do monitoramento para publicidade (Imagem: Reprodução/Vivaldi)
Campanha pede que autoridades internacionais elaborem leis que protejam usuários do monitoramento para publicidade (Imagem: Reprodução/Vivaldi)

A indústria de anúncios não seria a vilã, mas, sim, a forma que ela opera, defende o texto. Propagandas são uma parte importante da renda de criadores de conteúdo, mas o benefício financeiro “não deveria justificar o extenso sistema de monitoramento comercial” criado para direcionar propagandas para as pessoas certas, segundo o manifesto.

“Há outras tecnologias para publicidade que não precisam espionar os consumidores, e os modelos alternativos podem ser implementados sem grande impacto em receita”, defende o texto. “Nós encorajamos vocês [reguladores] a tomar uma posição e proibir a publicidade baseada em vigilância”, finaliza.

Pedido internacional por intervenção

O texto reforça um relatório publicado pelo Conselho de Consumidores da Noruega (NCC), que pediu a proibição de anúncios baseados em interesses. No texto, o assessor de comunicação do grupo, Øyvind H. Kaldestad, tenta demonstrar como “entidades obscuras virtualmente desconhecidas dos consumidores” recebem seus dados pessoais toda vez que você usa o celular.

Intitulado “Fora de controle”, o relatório elaborado pela empresa de segurança cibernética Mnemonic descobriu que dez aplicativos analisados, incluindo o app de relacionamentos Grindr e a ferramenta de monitoramento de ciclos menstruais Clue, compartilhavam dados dos seus usuários com outras 135 entidades envolvidas em publicidade e elaboração de perfis de interesses. Nove deles enviaram informações também ao Facebook, enquanto oito colaboraram com o serviço de anúncios do Google, o DoubleClick.

Após o resultado, a NCC se uniu a outras organizações que demandavam às autoridades europeias a promulgação da Lei de Serviços Digitais (DAS, na sigla em inglês). Esse mesmo grupo pede também que legisladores norte-americanos elaborem proteções semelhantes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: