Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.505,10
    -1.129,97 (-3,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Vitamina D não protege ou diminui gravidade da Covid-19, aponta estudo

·2 minuto de leitura
Vitamina D não protege ou diminui gravidade da Covid-19, aponta estudo
Vitamina D não protege ou diminui gravidade da Covid-19, aponta estudo

Após estudos observacionais apontarem que elevados níveis de vitamina D podem proteger contra a Covid-19, novos dados de pesquisas lideradas por equipes da Universidade McGill, em Quebec, no Canadá, sugere que não existem evidências genéticas que apoiem a vitamina D como medida protetora contra a doença.

A capacidade da vitamina D de proteger contra doenças graves, como é o caso da Covid-19, é um tema de grande interesse para especialistas em saúde pública mundo afora, porém, as evidências que a apoiam são bastante escassas.

Para estabelecer uma relação entre suscetibilidade e gravidade da Covid-19 com os níveis de vitamina D no organismo dos pacientes, os pesquisadores analisaram variantes genéticas de 4.134 pessoas infectadas e outras 1.284.876 sem Covid-19 de 11 países diferentes para determinar se a predisposição genética para níveis mais elevados de vitamina D estavam associadas a casos assintomáticos da doença.

Não ajuda

Contudo, os resultados não mostraram nenhuma evidência que associasse altos níveis de vitamina D e menor suscetibilidade de Covid-19, hospitalizações ou menor gravidade da doença. Isso significa que o aumento dos níveis de vitamina D por meio da suplementação não aumenta a proteção ou diminui a gravidade dos casos de infecção pela Covid-19 na população em geral.

“A suplementação de vitamina D como uma medida de saúde pública para melhorar os resultados não é apoiada por este estudo”, disseram os pesquisadores na conclusão. “Mais importante, nossos resultados sugerem que o investimento em outras vias terapêuticas ou preventivas deve ser priorizado para ensaios clínicos randomizados contra a Covid-19”.

Leia mais:

“A maioria dos estudos de vitamina D são muito difíceis de interpretar, uma vez que não podem se ajustar aos fatores de risco conhecidos para Covid-19 grave, como idade avançada, institucionalização e doenças crônicas, que também são preditores de baixo teor de vitamina D”, declarou o autor principal do estudo, Guillaume Butler-Laporte, ao Phys.org.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!