Mercado fechará em 3 h 20 min
  • BOVESPA

    111.052,91
    +2.159,59 (+1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.706,41
    +927,54 (+2,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,76
    -0,58 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.809,90
    +29,00 (+1,63%)
     
  • BTC-USD

    19.298,90
    -100,87 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,30
    -0,56 (-0,15%)
     
  • S&P500

    3.662,94
    +41,31 (+1,14%)
     
  • DOW JONES

    29.999,22
    +360,58 (+1,22%)
     
  • FTSE

    6.384,54
    +118,35 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.405,50
    +128,50 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3132
    -0,0480 (-0,75%)
     

Vitória de Biden e eficácia de vacina fazem Bolsas dispararem e dólar derreter

JÚLIA MOURA
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Dólar cai 2,3%, a R$ 5,26, menor valor desde setembro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Dólar cai 2,3%, a R$ 5,26, menor valor desde setembro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A segunda-feira (9) é de forte alta de ativos de risco, como ações e mercados emergentes, após a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais dos Estados Unidos e a notícia sobre a eficácia da vacina contra Covid-19 da Pfizer em parceria com a BioNTech.

Por volta de 11h35, o Ibovespa, maior índice acionário da Bolsa brasileira, sobe 3,2%, a 104 mil pontos, maior patamar desde agosto. O dólar cai 2,3%, a R$ 5,26, menor valor desde setembro, com a maior parte das moedas emergentes em expressiva valorização.

As ações preferenciais (sem direito a voto e mais negociadas) da Petrobras sobem 10,7%, a R$ 21,87. As ordinárias (com direito a voto) têm alta de 10,9%, a R$ 22,04. Ações de bancos também têm forte alta e sobem cerca de 7%.

Nos EUA, o índice Dow Jones sobe 5,4% e S&P 500, de 3%, ambos para pontuações recordes. Já a Bolsa de tecnologia Nasdaq tem alta de 1%.

Na Europa, a Bolsa de Londres se valoriza 7% e a de Paris, 8%. Frankfurt sobe 6%.

As Bolsas asiáticas também fecharam em alta. O índice CSI 300, que reúne as maiores empresas das Bolsas de Xangai e Shenzhen, ganhou 1,96%. Tóquio subiu 2,12% e Hong Kong,1,8%.

"O cenário Biden nos EUA envolve melhores perspectivas para o conflito comercial contra a China, além de uma provável maioria. Especula-se ainda que a descendência irlandesa do democrata possa aumentar as chances de acordos comerciais entre EUA e Reino Unido e União Europeia", escreveu aXP Investimentos em relatório a clientes.

"Um Senado republicano irá evitar mudanças drásticas defendidas por Biden durante sua campanha, como a reversão da redução dos impostos corporativos implementados durante o mandato de Donald Trump, e uma presidência democrata deve aliviar as tensões com a China. Na fronte econômica, a probabilidade de aprovação de um novo pacote de estímulos econômicos robusto fica reduzida, mas o mercado já mostrou apostar suas fichas no Federal Reserve [banco central americano), que sinalizou estar disposto a promover todo o estímulo necessário", escreveu a equipe da Guide Investimentos em relatório aclientes.

A corretora pondera que o maior risco aos mercados ainda é a pandemia, com recorde de casos nos EUA e na Europa.

"Biden deve trazer medidas mais drásticas de contenção da doença, mas o tempo que levará para o novo presidente assumir e implementar tais mudanças impede menores preocupações nesta frente. Enquanto isso, na zona do euro, o mercado já parece ter precificado a reintrodução de medidas de distanciamento social. A perspectiva com a distribuição de uma vacina também ajuda a acalmar os ânimos", diz a Guide.

A Pfizer divulgou nesta segunda que sua vacina apresentou mais de 90% de eficácia na análise preliminar dos testes de fase 3. Os resultados ainda são parciais e não correspondem à conclusão do ensaio clínico, mas a análise interina, feita quando há um número suficiente de casos da doença em um dos braços do estudo -de intervenção ou que recebeu placebo-, realizada por um comitê externo à companhia, apontou uma eficácia elevada da vacina em proteger contra a Covid-19.