Mercado abrirá em 9 h 20 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,15
    +0,07 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.775,30
    -8,10 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    32.768,88
    -1.030,93 (-3,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    790,33
    -19,86 (-2,45%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.795,61
    -21,46 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    28.920,12
    +45,23 (+0,16%)
     
  • NASDAQ

    14.298,25
    +35,25 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9260
    -0,0025 (-0,04%)
     

Visco diz que BCE vai se opor a qualquer aumento injustificado dos juros

·1 minuto de leitura
Visco, em evento em Roma

Por Giuseppe Fonte e Gavin Jones

ROMA (Reuters) - As perspectivas de recuperação econômica na zona do euro permanecem incertas, e o Banco Central Europeu (BCE) irá combater qualquer forte aumento dos juros que não seja justificado pelas condições econômicas, disse o membro do conselho do banco central, Ignazio Visco, nesta segunda-feira.

Visco, que também é presidente do banco central italiano, disse em um discurso em Roma que a crise financeira de 2008-2009 havia mostrado os riscos de uma retirada prematura dos estímulos monetários.

Na situação atual, "a incerteza sobre o momento e a força da recuperação exigem que as condições financeiras permaneçam favoráveis por muito tempo", disse em seu discurso anual de abertura.

"Os aumentos significativos e persistentes nas taxas de juros não se justificam pelas atuais perspectivas econômicas e serão combatidos", disse Visco, acrescentando que o BCE está pronto para "utilizar plenamente o seu já definido programa de compra de títulos".

Visco pediu que o BCE adote uma meta de inflação simétrica de 2%, dizendo que isso seria "mais claro" do que a meta atual de inflação próxima, mas abaixo, de 2% e que "reforçaria a ancoragem das expectativas de inflação de médio e longo prazo".

(Por Giuseppe Fonte e Gavin Jones)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos