Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.464,13
    +2.146,72 (+4,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Virgin Galactic volta a vender ingressos de turismo espacial a um preço salgado

·2 min de leitura

Após suspender a venda de ingressos em agosto deste ano, a Virgin Galactic anunciou, nesta segunda-feira (8), já ter vendido 100 ingressos para seus voos suborbitais futuros — e estas passagens foram mais caras do que as vendidas anteriormente. A meta inicial era de mil pagantes, e a empresa já tem, por enquanto, 700 turistas espaciais, esperando vender o restante dos ingressos antes de retomar com os voos comerciais, adiados para o próximo ano.

Durante a recente apresentação dos resultados financeiros do último trimestre da Virgin Galactic, Michael Colglazier, CEO da empresa, disse que as vendas adicionais de ingressos dos últimos três meses se saíram melhor do que o esperado. As passagens foram ofertadas a um grupo de clientes que realizaram um depósito reembolsável de "sinal" de US $1.000, sinalizando o interesse no voo. O objetivo é ampliar a venda no início do próximo ano.

(Imagem: Reprodução/Virgin Galactic)
(Imagem: Reprodução/Virgin Galactic)

É a primeira vez que a Virgin Galactic vende passagens para seus voos comerciais após Brichard Branson, dono da empresa, ter visitado a fronteira do espaço em julho deste ano a bordo do veículo VSS Unity, acompanhado por dois pilotos e outros três passageiros. O evento, que inaugurou o turismo espacial da empresa, aconteceu nove dias antes de a empresa rival, Blue Origin, levar seu fundador Jeff Bezos e mais três clientes ao espaço.

Apesar do sucesso do primeiro voo comercial da Virgin Galactic, em setembro deste ano a empresa foi denunciada por desviar a rota oficial do veículo durante o voo. Enquanto a Administração Federal de Aviação (FAA) dos EUA investigava o caso, as operações comerciais da Virgin foram suspensas até que, em meados de setembro, este problema foi resolvido. Antes disso, a empresa já havia se decidido reabrir a venda de ingressos, alegando a grande procura após o voo de Branson.

(Imagem: Reprodução/Virgin Galactic)
(Imagem: Reprodução/Virgin Galactic)

A principal diferença — e a maior delas — é que os novos ingressos foram ofertados por um valor bem acima do apresentado inicialmente. De US$ 250.000, eles passaram a custar US$ 450.000. Os primeiros clientes realizaram um depósito de US$ 150.000, dois quais US$ 25.000 não seriam devolvidos, segundo Colglazier. A Virgin Galactic também pretendia realizar outro voo comercial tripulado em setembro, chamado Unity 23, mas uma falha no sistema de controle de voo adiou a missão para 2022.

Com isso, os voos comerciais da Virgin Galactic não devem acontecer até antes do final de 2022, o que significa que os 700 clientes já garantidos terão de esperar por um bom tempo até visitarem a fronteira do espaço. A empresa também esta trabalhando em seu “avião espacial” VSS Imagine, planejado para decolar no início de 2023.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos