Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    34.977,69
    -286,56 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Viral do YouTube "Charlie bit my finger" é vendido como NFT por R$ 4 milhões

·2 minuto de leitura

Uma das maiores lembranças da internet, o vídeo “Charlie bit my finger”, está prestes a sumir do YouTube. O vídeo viral publicado em 2007 que soma pouco mais de 885 milhões de visualizações foi leiloado como um token não fungível (NFT) pela quantia de US$ 760.999 (equivalente a R$ 4 milhões na cotação atual) e agora espera pela decisão do novo dono de manter ou retirar o vídeo do ar.

Os lances rolaram ao longo do último fim de semana, entretanto, nas últimas horas do domingo, o preço subiu absurdamente enquanto duas contas anônimas disputavam pelo vídeo. Ao final, o perfil da companhia “3FMusic” superou o “mememaster” no leilão e, logicamente, deteve os direitos sobre o vídeo — que é um verdadeiro fragmento da história da internet.

Trata-se de uma recordação da infância de dois irmãos enquanto brincavam. Uma das crianças coloca o dedo na boca do irmão, Charlie (ainda bebê), e tem o dedo mordido provavelmente com força considerável. A brincadeira faz o menino reclamar, esboçar um choro e falar repetidas vezes "Charlie mordeu meu dedo!" Enquanto o mais velho se incomoda com o acontecido, Charlie ri como se soubesse de tudo que aconteceu.

Por enquanto, o vídeo ainda está no ar no YouTube, mas isso pode mudar em breve. O novo dono do conteúdo poderá retirar o vídeo da plataforma se assim preferir. É possível que outras cópias permaneçam online, mas o destino do original está nas mãos do comprador.

Este é mais um exemplo de fragmento da história da “cultura da internet” vendido como um NFT (e por valores astronômicos). Outro exemplo interessante de se observar foi a venda como token não fungível da primeira publicação do Twitter, feita pelo próprio CEO Jack Dorsey, que alcançou quase os US$ 3 milhões.

Ademais, esta é a segunda vez que a 3FMusic adquire os direitos sobre um meme popular. A conhecida foto “Menina do Incêndio” também foi comprada pelo perfil da companhia após ser vendida como um token não fungível — neste caso, por quase US$ 500 mil. Felizmente, a figura continua circulando livremente pela internet mesmo após a venda.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: