Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.828,95
    -274,33 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Violência de gênero coloca Porto Rico em estado de emergência

Jim Wyss
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O governador de Porto Rico, Pedro Pierluisi, declarou “estado de emergência” devido à violência de gênero, na tentativa de aumentar a conscientização e melhorar os programas que protegem mulheres e pessoas trans no território, que faz parte dos EUA.

A decisão, anunciada no domingo, foi tomada após casos de violência e assassinato que chocaram a ilha caribenha de 3,2 milhões de habitantes.

A ordem executiva de Pierluisi cria uma “diretoria de conformidade” que irá supervisionar casos de violência doméstica e se reportar diretamente ao governador, um comitê de 17 integrantes que irá monitorar e apresentar relatórios sobre violência de gênero e uma linha direta de atendimento às vítimas.

Durante entrevista coletiva na segunda-feira, Pierluisi disse que mais de 60 mulheres foram assassinadas em Porto Rico no ano passado. Os últimos dados policiais vão até agosto de 2019, mas a imprensa local noticiou que Porto Rico registrou 529 assassinatos em 2020.

A ordem executiva destaca o aumento nos incidentes de violência doméstica, porém as estatísticas policiais mostram que o número de casos diminuiu de 7.021 em 2019 para 6.540 no ano passado. As mulheres foram a grande maioria das vítimas.

“A violência de gênero é uma doença social enraizada em ignorância e atitudes que não têm espaço e não podem ser toleradas”, afirmou Pierluisi em comunicado. “Por muito tempo, vítimas vulneráveis sofreram devido às consequências do machismo sistêmico, desigualdade, discriminação, falta de educação, falta de orientação e, acima de tudo, falta de ação.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.