Mercado abrirá em 8 h 37 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,57
    +0,52 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.686,90
    +8,90 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    53.673,82
    +3.253,59 (+6,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.083,27
    +59,06 (+5,77%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.032,62
    +289,37 (+1,01%)
     
  • NASDAQ

    12.444,00
    +146,75 (+1,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Violência contra ex-combatentes é principal ameaça à paz na Colômbia (ONU)

·1 minuto de leitura
Homem caminha em frente a pichação com a palavra "Paz", em repúdio a massacres executados este ano em Cali, Colômbia, 13 de novembro de 2020

A violência contra ex-combatentes das Farc, líderes sociais e defensores dos direitos humanos é "a maior ameaça à construção da paz na Colômbia", após o acordo de paz assinado entre o governo e a guerrilha há quatro anos, afirmou a ONU nesta quinta-feira (21).

"Embora tenham sido adotadas múltiplas medidas para tentar enfrentar esta violência, cada assassinado é um golpe trágico para a paz", disse ao Conselho de Segurança Carlos Ruiz Massieu, chefe da missão da ONU na Colômbia, que supervisiona a reincorporação de 7.000 ex-guerrilheiros à vida civil.

Desde a assinatura do acordo de paz, em novembro de 2016, 252 ex-combatentes foram assassinados, lembrou Ruiz em uma sessão virtual do Conselho que apoiou o trabalho da missão e o apoio da ONU à Colômbia.

Dois mil e trezentos combatentes - que pertenciam a diferentes grupos - formam as chamadas dissidências das antigas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que se afastaram do histórico acordo e se dedicam majoritariamente ao narcotráfico e à mineração ilegal.

"Grupos armados ilegais que persistem em várias regiões do território e outros que surgiram, exacerbados todos pelo narcotráfico e outras economias ilegais são uma ameaça à segurança", disse a chanceler Claudia Blum na sessão virtual do Conselho.

"Estes grupos armados organizados, em especial as dissidências ou grupos residuais são os principais vitimários nos ataques a ex-combatentes das antigas FARC-EP", com uma responsabilidade em cerca de 77% dos casos, acrescentou.

lbc/gm /mvv