Mercado fechará em 5 h 2 min
  • BOVESPA

    97.410,40
    -1.131,55 (-1,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.545,29
    +20,84 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,76
    +2,00 (+1,89%)
     
  • OURO

    1.802,30
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    19.400,79
    +299,16 (+1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    416,44
    -3,70 (-0,88%)
     
  • S&P500

    3.770,77
    -14,61 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    30.628,03
    -147,40 (-0,48%)
     
  • FTSE

    7.130,92
    -38,36 (-0,54%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.458,75
    -70,75 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5299
    +0,0243 (+0,44%)
     

Villeroy, do BCE, diz que euro muito fraco pode ameaçar meta de inflação

Presidente do BC da França, François Villeroy de Galhau

PARIS (Reuters) - A fraqueza do euro nos mercados cambiais poderia ameaçar os esforços do Banco Central Europeu para direcionar a inflação para sua meta, disse nesta segunda-feira o membro do BCE François Villeroy de Galhau.

Na quinta-feira o euro atingiu seu ponto mais baixo em relação ao dólar desde 2017. A moeda era negociado em leve alta nesta sessão.

A fraqueza do euro torna os bens e commodities importados denominados em dólar - como o petróleo - mais caros, alimentando as pressões de preços que levaram a inflação da zona do euro a níveis recordes.

"Deixe-me enfatizar isto: vamos monitorar cuidadosamente a evolução da taxa de câmbio efetiva, como um motor significativo da inflação importada", disse Villeroy em uma conferência no banco central francês, do qual é presidente.

"Um euro fraco demais irá contra nosso objetivo de estabilidade de preços."

O Federal Reserve tem apertado a política monetária nos Estados Unidos de forma mais agressiva do que o banco central da zona do euro, embora o BCE tenha sinalizado que é provável que se junte a outros grandes bancos centrais no aumento dos custos dos empréstimos em julho.

Villeroy disse que uma reunião decisiva da diretoria do BCE poderia ser esperada em junho, seguida por um "verão ativo" (no hemisfério norte) no front de política monetária.

"O ritmo das próximas etapas levará em conta a atividade real e os dados da inflação com alguma opcionalidade e gradualismo", disse Villeroy.

(Reportagem de Leigh Thomas)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos