Mercado abrirá em 3 h 14 min
  • BOVESPA

    101.981,53
    -1.453,47 (-1,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.925,61
    -580,09 (-1,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,14
    -1,60 (-2,40%)
     
  • OURO

    1.996,80
    +23,30 (+1,18%)
     
  • Bitcoin USD

    28.191,44
    +1.094,33 (+4,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    613,59
    +41,58 (+7,27%)
     
  • S&P500

    3.916,64
    -43,64 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    31.861,98
    -384,62 (-1,19%)
     
  • FTSE

    7.296,38
    -39,02 (-0,53%)
     
  • HANG SENG

    19.000,71
    -517,88 (-2,65%)
     
  • NIKKEI

    26.945,67
    -388,12 (-1,42%)
     
  • NASDAQ

    12.644,25
    -0,50 (-0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6150
    -0,0105 (-0,19%)
     

Videogame sobre Holocausto quebra tabus

É possível ensinar o que foi o Holocausto, usando um videogame? É o que propõe "The Light in the Darkness" (A luz na escuridão, em tradução livre), primeiro título que reproduz, de maneira fiel, o dispositivo criado pelos nazistas para exterminar os judeus.

Neste jogo, disponível para computador e em breve para console, o jogador encarna uma família judia francesa oriunda da Polônia, acompanhando-a em sua jornada sob o regime de Vichy até sua detenção em 1942 e transferência para o campo de Pithiviers.

A evocação do Holocausto continua sendo um tabu no mundo dos jogos e, por isso, poucos programadores se arriscam a abordar o tema.

"Existe o medo de fazer um jogo trivial, ou de simplificar demais" a questão, explica Eugen Pfister, pesquisador da Escola de Artes de Berna e especialista em videogames.

"Também há o medo de que você não consiga fazer um jogo de forma ética", acrescenta.

Entre os títulos de maior sucesso nos últimos anos, há uma exceção: a série Wolfenstein, em particular “The New Order” (2014), cujo personagem principal é introduzido em um campo de concentração fictício na Croácia.

"The New Order" é ambientado, entretanto, em um universo alternativo, no qual os nazistas vencem a Segunda Guerra Mundial. Não propõe uma representação realista do Holocausto.

"Veem-se as chaminés, os vagões e até a seleção de prisioneiros, mas nunca se fala sobre campos de concentração, ou mesmo sobre judeus", diz Pfister.

- "Sem escolha"  -

Para Luc Bernard, criador francês de "The Light in the Darkness", o fato de o Holocausto não ser abordado nos videogames é problemático.

"Os jovens jogam jogos sobre a Segunda Guerra Mundial, como 'Call of Duty', onde (o Holocausto) quase não é mencionado", lamenta.

"É um pouco como negar que existiu", continua esse programador de 36 anos, morador de Los Angeles.

Na história criada por Bernard, o jogador não pode controlar o desenvolvimento da história e assiste, passivamente, ao destino trágico dos personagens.

"Eu não poderia fazer um jogo, em que você ganha no final", alega o desenvolvedor. "Não foi assim no Holocausto, não havia escolha".

Para a criação do jogo, Bernard fez uma extensa pesquisa nos arquivos dos museus sobre o Holocausto de Washington e de Los Angeles. Também recorreu aos depoimentos de sobreviventes. Em uma próxima versão do jogo, o programador planeja acrescentar alguma dessas explicações.

- Evolução das mentalidades -

Há cerca de 15 anos, Bernard já havia desenvolvido um primeiro jogo sobre o Holocausto, "Imagination is the Only Escape" (Imaginação é a única saída, em tradução livre), o qual pretendia lançar pela Nintendo DS.

O jogo foi inspirado na história de sua avó, que transportou crianças judias para o Reino Unido durante a guerra.

O projeto não teve continuidade por falta de financiamento. Segundo o criador, sofreu uma campanha de desprestígio por parte da imprensa.

Mas os tempos mudaram, e "agora ninguém me ataca", diz ele.

Para Pfister, a evolução da mentalidade é comparável ao que aconteceu no cinema após a série "Holocausto" (1978) e o filme "A Lista de Schindler" (1993), de Steven Spielberg.

"O consenso hoje é que Hollywood é capaz de fazer filmes sobre o Holocausto", resumo o historiador.

"Sou otimista com a possibilidade de os videogames também encontrarem uma linguagem para falar disso", completou.

"The Light in the Darkness" está disponível gratuitamente na loja on-line da Epic Games. O jogo também está em exibição no Museu da Cultura Pop, em Seattle.

dho/jum/ube/seb/jnd/es/zm/ms